Triste constatação no mercado de carros zero


Em meio a tantos carros novos no mercado brasileiro, está se tornando cada vez mais comum adquirir um modelo zero-quilômetro de forma precipitada - às vezes sem sequer chegar perto dele. Esta prática era mais comum quando se trocava um carro seminovo por um zero da mesma marca e modelo, ou quando o consumidor possui fidelidade à marca. Ainda assim existem diferenças entre, digamos, um Corolla 2011 e outro linha 2014 que mereceriam ser observadas com paciência.

Só que agora é comum comprar carros zero sem fazer um test-drive, ou sequer abrir a porta. Um efeito que se manifesta em alguns carros de imagem e, agora, nos compactos premium. E alguns vendedores, antes de convidar a pessoa a sentar no banco do motorista, já querem saber como vão pagar. Influências das compras via internet de celulares, computadores e outros produtos que serão trocados por outros em poucos anos.

OK, atualmente quem está disposto a comprar um carro novo possui na Internet e na televisão uma ajuda para se definir (antes de ver o automóvel ao vivo, o comprador pode conferir sua potência, torque, itens de série, capacidade do porta-malas...). Mas a mídia também desinforma algumas vezes, ocultando pontos os negativos. 


E o exemplo que utilizamos agora é o do Ford New Fiesta 2014. Com a produção nacional, veio também uma reestilização que o nivelou ao visual dos modelos europeu e norte-americano. Mas por dentro, quanta diferença em relação ao mexicano... A começar pelos instrumentos de grafia menos moderna que o anterior. Mas é no acabamento que a frustração é grande: custando quase o mesmo que o Fiesta SE do México, o brasileiro não traz plásticos emborrachados, comandos de áudio no volante nem a vistosa tela no alto do console, trocada por um pequeno visor. As fotos mostram que o estilo moderno do painel continua, mas ao vivo dá saudades do New Fiesta anterior, que mal completou um ano e meio de mercado. Quem simplesmente reservasse um New Fiesta 2014 dando em troca um 2012 poderia se arrepender, mesmo havendo pontos positivos, como o bom nível de equipamentos. Parece exagero, mas uma das vendedoras sugeriu fechar negócio num 1.5 S que sequer estava na loja.


A crítica, portanto, recai sobre a obsolescência programada e aos consumidores que não cobram o direito de um test-drive (afinal, toda a "teoria" pode ser comprometida ao andar com o veículo na prática). Um carro novo pode ser analisado com calma e trocá-lo em um espaço de tempo curto demais representa desperdícios - de dinheiro e de recursos ambientais. Por fim, os concessionários não podem atuar no estilo "compre se quiser": o bom tratamento na revendedora, a apresentação das características do carro e a examinação detalhada do carro pelos consumidores mais atentos deveriam ser item de série em todas as autorizadas para haver a certeza de uma boa compra.


Editado | 04/06/2013

Comentários

  1. Na matéria não ficou claro que este é o painel da versão 1.5 S. A versão 1.6 S e Titanium apesar do painel ser também de plástico tem bastante diferença do 1.5 S. No 1.6 S tem a central multímidia sync, hill holder, esp, abs com ebd e 2 airbgs. No 1.6 titanium tem além do já mencionado no 1.6 S tem 6 airbags, sensor crepuscular e de chuva, bancos de couro e piloto automático. Fora que na versão mexicana não tinha o câmbio automático powershift. O carro pode não ser barato, mas não existe no Brasil carro com todos estes itens e pelo preço que a Ford está cobrando.

    ResponderExcluir
  2. Honestamente não consegui entender a intenção de quem escreveu esta matéria, nada mesmo.
    Este interior é do modelo básico de 39k que custa 6k a menos do que o modelo mexicano mais barato, e apesar de não ter plástico emborrachado e a central sync tem abs e airbag, inexistentes no mexicano básico que custava 6k a mais.
    O modelo 1.5se de 42k não vale a pena, em relação a este tem rodas de liga e mais uma bobagem.
    Mais adiante temos o 1.6s de 46k, mesmo preço do mexicano básico.
    Este 1.6s tem a mais do que o mexicano básico abs, airbag, esp, controle de tração, controle de estabilidade e ar digital, além disso tem a central sync com display sobre o painel e comandos de áudio no volante.
    Considerado que a perda do painel emborrachado e um acabamento mais simples pelo mesmo preço o nosso fiesta oferece muito mais.
    Hoje é o melhor custo benefício do mercado.

    ResponderExcluir
  3. Fotos do exterior do Titanium e interior da versão S. Não sei onde o autor quer chegar com isso.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Na seção de comentários do Auto REALIDADE você está livre para escrever o que você achou da matéria.

Caso você queira fazer perguntas maiores, incluir fotos ou tirar dúvidas, envie e-mail para blogautorealidade@hotmail.com

Sua opinião é muito importante para o Auto REALIDADE! Estamos a disposição no Facebook (http://www.facebook.com/AutoREALIDADE), no Instagram (http://www.instagram.com/autorealidade e no Twitter (@AutoREALIDADE).