Destaques do Auto REALIDADE

sábado, 31 de maio de 2014

As primeiras imagens do novo Troller T4


Hoje, a Troller apresenta a nova geração do T4 na cidade de Vila Mariana (São Paulo). Externamente, o jipe abandona a carroceria inspirada no norte-americano Wrangler e adota visual muito similar ao carro-conceito TR-X, apresentado no Salão de São Paulo há dois anos.

Por ora, a Ford (atual proprietária da Troller) não divulgou especificações técnicas, imagens internas ou preço do novo modelo.


Škoda mostra CityJet, variação conversível do up!



A Škoda apresenta no Wörthersee Tour um carro-conceito baseado no Citigo (um dos compactos do Grupo Volkswagen feitos com base no up!; há ainda o SEAT Mii), construído por 16 estagiários da montadora checa em cerca de seis meses. O CityJet abre mão do teto e do banco traseiro em prol de uma roupagem mais esportiva: pintura azul com faixas brancas, rodas aro 16'' brancas, ponteira de escape esportiva, um curioso aerofólio construído a partir da coluna C, volante de base achatada, decoração especial dos bancos, "pad" do painel branco com faixa inferior vermelha e o já nostálgico néon azul iluminando o chão. Apesar do visual instigante, o motor 1.0 MPI de três cilindros, que rende 75 cavalos com gasolina, foi mantido sem alterações.








sexta-feira, 30 de maio de 2014

Fiat apresenta Uno Rua, festejando o Brasil


A Fiat anuncia a campanha “Festa na Rua”, para celebrar os 12 anos em que a montadora foi líder nacional de vendas e incorporar o espírito verde-amarelo que toma conta dos brasileiros durante a Copa do Mundo - e apresenta a série limitada Rua do Uno, um dos suspiros finais do hatch lançado em 2010, que será reestilizado no início do segundo semestre deste ano.


Baseado no modelo Vivace 1.0 quatro-portas, o Uno Rua será limitado em 2000 unidades, trazendo duas opções de cores (Branco Kalahari e Amarelo Interlagos), adesivo Rua nas portas dianteiras, adesivo da bandeira do Brasil nas colunas traseiras, molduras dos três quadradinhos frontais nas cores verde/amarelo/azul, faróis com máscara negra, lanternas fumê, spoiler traseiro, maçanetas e retrovisores na cor da carroceria, rodas de liga leve aro 14" e logotipo "Uno" com as cores verde/amarelo/azul.


Por dentro, o Uno Rua acena com volante revestido em couro com regulagem de altura, abertura interna do porta-malas e da tampa do tanque de combustível; apoio de pé para o motorista, alças de segurança traseiras, espelho no para-sol para o motorista, porta-óculos e console porta-objetos no teto, detalhes azuis (nos comandos do ar-condicionado, nos cintos de segurança e nos bancos), desembaçador, limpador (com acionamento automático em ré, com o limpador dianteiro acionado) e lavador do vidro traseiro, direção hidráulica, faróis de neblina, preparação para som (USB/MP3 ou Connect opcionais), travas elétricas, vidros elétricos dianteiros e conta-giros de série.


Se a decoração do Uno Rua não é unanimidade, o preço de R$ 33 590 é consideravelmente inferior ao do Uno Vivace 1.0 equipado com todos estes itens.


quinta-feira, 29 de maio de 2014

Esperar, cansou [Alta Roda]


Parece próximo de ser anunciada a estratégia governamental para estimular o uso de veículos híbridos e elétricos. Tudo indica que o imposto federal IPI poderá zerar e na cidade de São Paulo haveria um desconto de 50% na alíquota do IPVA, ou seja, o município abriria mão dos 50% que lhe cabem nesse tributo estadual. Sem dúvida é condição necessária, mas não suficiente, para impulsionar essas tecnologias no Brasil.

No caso específico dos carros híbridos que utilizam dois motores (a combustão e elétrico) o caminho é bem menos difícil. Seu preço menor, a inexistência do problema de baixa autonomia e de ansiedade por não encontrar um local de abastecimento abrem possibilidade de aceitação maior que os elétricos puros. No nosso caso ainda é possível ter o motor a combustão flexível em combustível (etanol e/ou gasolina), o que reduziria bastante as emissões de CO2. A produção mundial de híbridos, atualmente mais de 30 vezes superior frente aos elétricos, também indica que essa solução intermediária vai prosperar.

Uma das possibilidades estudadas na capital paulista é o subsídio direto aos compradores, a exemplo do que ocorre no exterior. Trata-se de iniciativa complicada por aumentar os gastos públicos e deixar margem aos críticos fáceis de plantão ao transporte individual nos grandes centros. Mais palatável seria, por exemplo, liberar as vagas de estacionamento rotativo e dispensá-los do rodízio, uma má ideia imposta aos paulistanos pelo alcance limitado e que aumentou a poluição ao agregar carros mais antigos e poluentes como alternativa legítima.

Quanto aos elétricos há ainda sérias dúvidas sobre o que deve ocorrer. Em artigo recente à parte da Alta Roda, esse colunista chamou a atenção sobre um possível impasse a prejudicar seu avanço. Parte dos interessados acredita que as baterias terão resolvidos os empecilhos de autonomia, tempo de recarga, peso/volume e reciclagem. Outros apostam que as pilhas a hidrogênio e uma futura rede mundial de abastecimento seriam mais viáveis.


O maior fabricante de automóveis do mundo, a Toyota, acaba de anunciar oficialmente que abriu mão de 20 anos de pesquisas sobre baterias. Sua aposta agora é nas pilhas a hidrogênio, capazes de gerar eletricidade a bordo. Admitiu que baterias têm mesmo alcance limitado e as pilhas, mais baratas e eficientes from well to wheel (ciclo energético fechado). Começará a produzir veículos desse tipo já em 2015, porém reconhece a necessidade de um grande esforço conjunto das próprias fábricas, das distribuidoras de combustíveis e dos governos para montar a rede de abastecimento.

Para dar exemplo, a japonesa desenvolveu uma estação móvel de hidrogênio ao custo de US$ 2 milhões/R$ 4,4 milhões, cerca de metade de um posto fixo desse gás. Calcula que precisará de 68 instalações para cada 10.000 carros com pilhas a hidrogênio para evitar a ansiedade.

Interessante é que pouco antes de anunciada essa decisão, uma empresa japonesa especializada em baterias disse que planeja fabricar uma unidade de duplo carbono capaz de recarregar 20 vezes mais rápido que uma convencional de íons de lítio. Essas promessas já foram feitas anteriormente e a espera acabou por cansar.

RODA VIVA


INFORMAÇÕES não oficiais indicam início de produção nacional do Versa (o sedã do March) em outubro próximo e vendas no mês seguinte. Por outro lado, fornecedores não estariam mais entregando peças para fabricação do Livina. Tanto pode significar estoques altos demais, como sinalização para importar o Note do México, seu substituto no futuro.


PEUGEOT lançou crossover francês 3008 2015 com retoques na dianteira para se integrar à nova identificação da marca e mais equipamentos. Além de navegador GPS, o sistema de projeção de informações no para-brisa agora é colorido. Decidiu oferecer versão única– Griffe – por R$ 99.990 e se manter simbolicamente abaixo da linha de R$ 100.000.


ANTECIPAR 2015 é recurso de marketing cada vez mais evidente, em mercado de vendas cadentes. Citroën anunciou mudança de ano-modelo da linha C3, praticamente sem alterações visuais. Readequou o nome de algumas versões, adicionou equipamentos sem repasse ao preço e acrescentou câmbio automático à versão intermediária Tendance.


PALIO Fire, apesar de bem aceito, tem preço de entrada artificialmente baixo. Na versão duas-portas parte de R$ 24.730, mas equipamentos importantes como cintos de três pontos retráteis nas extremidades do banco traseiros, dois encostos de cabeça e desembaçador/limpador do vidro traseiro são opcionais. Essa estratégia mina os esforços de melhorar a segurança.

ADIADA pela quinta vez a aplicação compulsória de rastreadores em todos os veículos. Denatran postergou para julho de 2016 o uso desse equipamento que, quando muito, deveria ser opcional. Além não ter comprovado em testes seu bom funcionamento, tornou-se um assunto que beira o surrealismo. Quem ainda acredita que essa inutilidade um dia chegará de fato?

Fernando Calmon (fernando@calmon.jor.br), jornalista especializado desde 1967, engenheiro, palestrante e consultor em assuntos técnicos e de mercado nas áreas automobilística e de comunicação. Sua coluna automobilística semanal Alta Roda começou em 1º de maio de 1999. É publicada em uma rede nacional de 98 jornais, sites e revistas. É, ainda, correspondente no Brasil do site just-auto (Inglaterra).




VW GTI Roadster: do Gran Turismo 6 para a realidade


A Volkswagen apresenta este ano no Wörthersee Tour um carro-conceito criado para o jogo Gran Turismo 6: o GTI Roadster, Vision Gran Turismo. Trata-se um conversível de dois lugares, equipada com motor 3.0 V6 de nada menos que 503 cavalos e 57,1 kgfm de torque entre 4000 e 6000 rpm. Com câmbio DSG, de sete marchas e dupla embreagem, tração integral 4MOTION e peso reduzido (1420 quilos), o GTI Roadster acelera de 0 a 100 km/h em apenas 3,6 segundos, atingindo 309 km/h de velocidade máxima.


Criado para celebrar os 15 anos da saga Gran Turismo, o GTI Roadster foi a proposta escolhida por Klaus Bischoff (chefe de design da VW) e Kazunori Yamaushi, diretor da Polyphone Digital, um dos criadores da série Gran Turismo... e fã do Golf GTI.


quarta-feira, 28 de maio de 2014

Chevrolet Cobalt chega à linha 2015


A Chevrolet anuncia o lançamento da linha 2015 do Cobalt - não houve alterações visuais ou mecânicas. Contudo, o sedan recebe novos equipamentos de série: botão no painel para a abertura da tampa do porta-malas e travamento elétrico da tampa do tanque de combustível.


Houve também a ampliação da quantidade de acessórios disponíveis: bancos de couro, função Tilt Down dos retrovisores externos (ao engatar a ré, os espelhos inclinem-se para baixo, facilitando o estacionamento), câmera de ré e módulo de TV (os dois últimos compatíveis com o sistema multimídia MyLink, de série no Cobalt LTZ).


De série, as versões LS, LT e LTZ contam com velocímetro digital, ar-condicionado, direção hidráulica, airbag duplo, freios ABS com EBD, travas elétricas das portas e controle remoto incluso na chave-canivete.

A versão LS 1.4 tem preço de tabela de R$ 44 496. Já o LT 1.4 custa R$ 46 996, e o LTZ (nestas imagens), R$ 51 196. Há ainda as versões com motor 1.8: LT (R$ 49 396) e LTZ (R$ 53 796, abaixo).


terça-feira, 27 de maio de 2014

Vídeo: Novo Troller T4, camuflado, em testes



Chevrolet Prisma estreia série Advantage e linha 2015


O sedan do Chevrolet Onix estreia uma série especial que combina o motor 1.0 SPE/4 com pacote completo de equipamentos. O Prisma Advantage já é anunciado no site da montadora e conta com rodas aro 15'' escurecidas (com o mesmo desenho das rodas da versão LTZ), aerofólio na tampa traseira, retrovisores e adesivos da coluna B pintados na cor preto brilhante, faróis escurecidos, volante revestido em couro com controles de rádio e telefone, frisos laterais na cor do carro, faróis de neblina, quatro alto-falantes, central multimídia MyLink com tela sensível ao toque de sete polegadas, minitapetes de borracha nos porta-trecos (como o Onix Lollapalooza, porém na cor cinza) e emblemas "Advantage" nas portas, além de todos os itens da versão 1.0 LT (direção hidráulica, ar-condicionado, airbags frontais, freios ABS com EBD, ajuste de altura do banco do motorista, chave-canivete, sensor de estacionamento traseiro, alarme e vidros e travas elétricos). O modelo estará disponível nas cores Cinza Mond, Prata Switchblade e Branco Summit. A Chevrolet não divulgou o preço da novidade. O motor 1.0 gera 78 cavalos com gasolina/80 cv com etanol e torque de 9,5 kgfm com gasolina/9,8 kgfm com etanol.


Na linha 2015 do Prisma, todas as versões passam a contar com ar-condicionado e vidros elétricos com acionamento por “um toque” de série, o que elevou o preço da versão 1.0 LT para R$ 41 396. O Prisma 1.4 LT parte de R$ 45 996, enquanto o LTZ (acima) sai por R$ 51 296, sem incluir o câmbio automático. Falando nele, outra novidade é a inclusão de volante revestido em couro com controles de rádio e telefone para as versões 1.4 LT e LTZ com câmbio automático de seis marchas. O motor 1.4 produz 98 cavalos com gasolina e 106 com etanol; seu torque é de 13 kgfm com gasolina e de 13,9 kgfm com etanol, a 4800 rpm.


Fiat apresenta Strada 2015, com mais itens


A Fiat já apresentou as linhas 2015 de Linea, Punto, Palio, Grand Siena, Siena EL e Idea e, agora, revela algumas novidades para a Strada, relacionadas a novos equipamentos e kits de opcionais. A versão Trekking, disponível somente com cabine dupla, passa a contar com chave-canivete com telecomando, preparação para som e banco do motorista com regulagem de altura de série; já a única inclusão para a versão Adventure é a preparação para rádio.


Outra novidade é o Kit Dark: na Strada Trekking, o pacote custa R$ 3160 e inclui rádio Connect CD MP3/WMA integrado ao painel com função RDS, viva-voz Bluetooth e entrada USB, além de ajustes dos retrovisores elétricos, volante revestido em couro com comandos do rádio, capota marítima, rodas de liga leve 14" com pintura exclusiva e faróis com máscara negra. Na versão Adventure (cabine estendida ou dupla), o kit (que acrescenta R$ 2395) inclui os mesmos itens, exceto pelas rodas, aro 15'', com pintura exclusiva.


A Strada Working "cabine curta" 2015, com motor 1.4, parte de R$ 36 120. Com cabine estendida, esta versão pula para R$ 39 330 e chega a R$ 45 310 com cabine dupla. A Trekking 1.6 parte de R$ 51 750. Já a Adventure cabine estendida 1.8 custa R$ 52 990 e sobe para R$ 58 480 com cabine dupla.


A Strada acaba de contabilizar 1 milhão de unidades vendidas no Brasil: a milionésima unidade é da versão Adventure, pintada na cor Vermelho Alpine. Este número foi alcançado em 15 anos; atualmente, a Strada é líder em vendas no segmento de picapes pequenas, isolada de Saveiro, Montana e Hoggar.


Curta a página do Auto REALIDADE!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...