Destaques do Auto REALIDADE

terça-feira, 31 de maio de 2016

Renovado e turbinado, Chevrolet Cruze 2017 chega partindo de R$ 89.990


Fervilhando de opções, o segmento de sedans médios no Brasil passa a contar com a nova geração do Chevrolet Cruze a partir de junho - praticamente nada sobrou do modelo que chegou ao Brasil em 2011. Do motor 1.4 Turbo ao recheio das versões, passando pelo formato da carroceria que permitiu reduzir o peso em 21% (cerca de 100 quilos), o Cruze mudou por completo, chegando com algumas semanas de antecedência em relação a outro representante do segmento que vai dar o que falar, o novo Honda Civic.


A carroceria possui formas mais fluidas e ligeiramente maiores, carregando os traços da atual filosofia de estilo da Chevrolet: faróis e lanternas mais prolongados, gravatinha na grade superior (não mais entre as aberturas frontais), luzes de LED incorporadas aos faróis (antes ficaram num alojamento adaptado), discreto aerofólio que envolve o brake-light e rodas aro 17'' em todas as versões. O coeficiente aerodinâmico da carroceria (Cx) é de 0,30 e a rigidez torcional cresceu 25%.

Há quatro novas opções de cores - Branco Abalone, Vermelho Edible Berries, Cinza Satin Steel e Preto Ouro Negro - que se somam às tonalidades existentes Branco Summit e Prata Switchblade. A silhueta é inspirada nos "cupês de quatro portas". Com comprimento esticado em 6,2 centímetros (com 1,5 cm de aumento da distância entre-eixos) e altura ampliada em 9 milímetros, a nova carroceria proporciona mais espaço para os ocupantes, ainda que o porta-malas tenha encolhido 10 litros, passando para 440 L.


O interior segue a cartilha do Cruze norte-americano, embora não seja rigorosamente igual. O console central foi adaptado para receber o freio de mão e dois porta-copos. Já o acabamento recebeu maior atenção, com materiais agradáveis ao toque. Ao centro do console, uma luz azul de LED corre em volta dos comandos de ar-condicionado. Assim como por fora, quase não há similaridades frente ao Cruze anterior.

O quadro de instrumentos é assemelhado à S10 reestilizada, com caracteres mais legíveis e, ao centro, o computador de bordo (com tela colorida nas versões topo-de-linha de 4,2 polegadas, que traz informações gerais do veículo [pressão dos pneus, vida útil do óleo e distância do carro da frente]; informações de áudio, telefone, GPS e um menu configurável, com opção de indicar a velocidade digital ou a função ECO, para reduzir o consumo de combustível e verificar o rendimento dos últimos 50 quilômetros percorridos). E o novo volante incorpora teclas de atalho à frente e atrás.



Desde a versão LT (R$ 89.990), o Cruze vem com controles eletrônicos de tração e de estabilidade, freios ABS com EBD (distribuição da força de frenagem) e PBA (frenagem de emergência), direção elétrica, luzes diurnas, controlador de velocidade de cruzeiro, ar-condicionado digital, ajuste de altura e profundidade do volante, abertura e fechamento dos vidros pelo controle remoto, tomada de 12 Volts na dianteira e traseira, sistema de atendimento OnStar, revestimentos na cor preta e sistema ISOFIX para cadeirinhas infantis. Este modelo também passa a trazer assistente de partida em ladeiras, monitoramento da pressão dos pneus, câmera de ré, sensor de estacionamento traseiro e o sistema multimídia MyLink com tela sensível ao toque de 7 polegadas.



Na versão LTZ (R$ 96.990, exatamente o preço do Sentra SL), estão disponíveis: airbags laterais e de cortina (totalizando 6 airbags), faróis com regulagem de altura e luzes diurnas em LED, sensor de estacionamento dianteiro e traseiro, sensor de chuva, acendimento automático dos faróis, revestimentos na cor cinza, abertura das portas por sensor de aproximação na chave, partida por botão no painel e acionamento da ignição pela chave, retrovisores externos com rebatimento elétrico e aquecimento, espelho interno eletrocrômico, multimídia MyLink com GPS, compatibilidade com Android Auto e Apple CarPlay, trazendo tela de 8 polegadas; grade e maçanetas externas cromadas, além de rodas escurecidas.



Já o LTZ+ (R$ 107.450) traz mordomias como banco do motorista com ajustes elétricos, assistente de permanência na faixa (caso a seta não esteja acionada, o ângulo do volante é automaticamente corrigido para acompanhar a faixa de rodagem), alerta de colisão frontal iminente (caso o veículo à frente esteja em uma distância menor que a estabelecida pelo motorista), alerta de veículos em pontos cegos (uma luz alaranjada acende no retrovisor), auxiliar de estacionamento automático em vagas paralelas e perpendiculares, alternamento automático de farol baixo/alto e o carregador de bateria de celular wireless, via indução eletromagnética.



Todas as versões contam com o novo motor 1.4 Turbo Ecotec, que rende 150 cavalos com gasolina a 5600 rpm e 153 cv com etanol a 5200 rpm. O torque é de 24,0/24,5 kgfm (alcançado em 2100/2000 rotações por minuto, com gasolina e etanol, respectivamente). Dotado não apenas do turbocompressor, como também de injeção direta de combustível, cabeçote com coletor de escape integrado, bloco e cárter de alumínio, comando variável de válvulas e o sistema Stop/Start, que desliga momentaneamente o motor em paradas de trânsito, o Cruze se sobressai em termos de consumo: com gasolina, obtém as médias de 11,2 km/l na cidade e 14 km/l na estrada, enquanto com etanol os resultados são de 7,6 km/l e 9,6 km/l, respectivamente. Uma palpável economia de cerca de 30% em relação ao Cruze anterior.



90% do torque do motor está disponível numa faixa plana entre 1500 rpm e 5000 rpm. O propulsor está aliado ao câmbio automático de 6 marchas com Active Select (trocas sequenciais através da alavanca), basicamente o mesmo utilizado pelo Cruze anterior, porém recalibrado para o novo motor. Além da agilidade (acelera de 0 a 100 km/h em cerca de 9 segundos), a Chevrolet garante que o modelo 2017 está mais silencioso.



Agora há uma fileira de botões para ativação do OnStar no teto (junto à luz de ativação/desativação do airbag do passageiro frontal), ao invés de estarem diretamente incorporados ao espelho interno. É possível, por exemplo, solicitar a um atendente que encaminhe a localização de determinado ponto de interesse para o GPS do carro, e a orientação é feita por setas na tela do computador de bordo e comandos de voz. No Cruze, é incorporado o alerta de valet (ao ativá-lo, o usuário recebe uma mensagem caso o manobrista se distancie de um raio de 500 metros, sendo possível monitorar o deslocamento do automóvel e saber se ele ultrapassou o limite de velocidade predeterminado, através do app para smartphones).



Ao apertar o botão azul do OnStar, o motorista é conectado a uma central de atendimento humano que oferece serviços como pesquisas na internet, reservas e informações sobre situações de tráfego. Já o botão vermelho serve para emergências (assistência mecânica, elétrica ou médica). Este sistema avisa quando o automóvel está sendo furtado ou envolveu-se em um acidente que resultou na deflagração dos airbags. Pelo aplicativo (disponível para Android e iOS), é possível receber notificações quando o veículo inicia uma nova movimentação, saber qual é a sua localização atual e quando o velocímetro ultrapassar o limite de velocidade determinado. Porém o atendimento gratuito é válido apenas por 1 ano.



O Cruze 2017 está previsto para chegar às concessionárias Chevrolet a partir de junho, para demonstração e test-drive. Em julho começam as entregas aos primeiros pedidos. A garantia do modelo é de três anos.


Mitsubishi lança Pajero Outdoor, aventureiro com motor 3.2 diesel



A Mitsubishi segue apostando nas edições diferenciadas para seus modelos, e o lançamento da vez é o Pajero Outdoor. Baseado na carroceria Dakar (que recentemente suprimiu este sobrenome, mas que o diferencia do modelo Full importado do Japão), os diferenciais visuais são: faróis de máscara negra, para-choque com aplique central plástico, peças pintadas em cinza-grafite (frisos das portas, grade superior, maçanetas externas, moldura da placa traseira, rodas (de 17 polegadas, com pneus 265/65) e molduras dos para-lamas, além de rack de teto e aerofólio integrado à tampa do porta-malas.


Por dentro, o Pajero Outdoor traz bancos com revestimento em couro, maçanetas cromadas, volante com ajuste de altura e comandos do controlador de velocidade, além de som Double-DIN com rádio, CD/MP3 Player, Bluetooth, além de entradas USB e auxiliar. São, ao longo do habitáculo, 24 porta-objetos, 12 luzes de cortesia e duas tomadas de 12 Volts. Também são de série a chave "keyless" e os retrovisores externos rebatíveis eletricamente.



O motor do Pajero Outdoor é o 3.2 16 válvulas a diesel, com injeção direta common-rail, turbo e intercooler, que gera 180 cavalos a 3500 rpm e torque de 38 kgfm a 2000 rpm, aliado ao câmbio automático de 5 marchas com adaptações de acordo com o modo de condução e opção de trocas sequenciais na alavanca. O tanque de combustível acomoda 90 litros.



Nesta versão também está disponível o seletor de tração, com quatro modos: 4x2 (2H, operando somente com tração traseira, o que economiza combustível), 4x4 (4H, com a tração sendo distribuida para as quatro rodas), 4x4 bloqueado (4HLc, com o diferencial central no modo "lock", adequado para uso fora-de-estrada) e 4x4 bloqueado com reduzida (4LLc, indicado para situações onde é preciso força total).



A concepção do Pajero Outdoor segue a velha guarda de carroceria sobre chassi, como na L200 Triton. O utilitário possui 4,74 metros de comprimento, 1,81 m de largura, 1,84 metro de altura (considerando também os racks de teto), distância entre-eixos de 2,80 meros, ângulo de entrada de 36 graus, ângulo de saída de 25º, capacidade máxima de subida de 35 graus e altura em relação ao solo de 21,5 centímetros.



Com capacidade do porta-malas que chega a 1805 litros com o rebatimento do banco traseiro e raio de giro de 5,6 metros, o Pajero Outdoor traz airbags frontais, freios ABS com EBD e auxiliar em frenagens de pânico (BAS), além de coluna de direção, pedais e o espelho retrovisor interno colapsáveis em caso de colisão.


Também há novidades para a versão HPE na linha 2017. Com detalhes exclusivos, como os faróis de xenônio com lavadores e regulagem automática de altura, luzes diurnas de LED, retrovisores cromados rebatíveis eletricamente com luzes de seta de LED e rodas de 17 polegadas (agora com acabamento diamantado, calçando pneus 265/65), o modelo possui 7 lugares e está disponível tanto com o motor 3.5 V6 Flex de 205 cavalos com etanol quanto com o propulsor Diesel.

Esta versão conta bancos em couro com regulagem elétrica nos dianteiros, direção hidráulica com Paddle Shifters, sensor de chuva, acendimento automático dos faróis, ar-condicionado automático, sistema keyless para abertura e fechamento das portas, oito airbags (dois frontais, dois laterais e quatro de cortina) e central multimídia Power Touch com GPS, CD, DVD e MP3 Player, Bluetooth para viva-voz e câmera de ré.



Produzido em Catalão (GO), o Pajero Outdoor têm três anos de garantia e está disponível em sete cores Prata Cool, Prata Rhodium, Cinza Londrino, Marrom Cacau, Azul Petróleo, Banco Fuji e Preto Onix.

Tabela de preços

Pajero Outdoor AT - R$ 165 990
Pajero HPE Flex AT - R$ 165 990
Pajero HPE Diesel AT - R$ 194 990


Fiat Punto 2017 ganha itens e perde versões T-Jet e Sporting


A linha 2017 do Fiat Punto chega ao mercado com alguns equipamentos adicionais em suas versões e, por outro lado, a extinção dos modelos esportivos da gama. O Sporting 1.8 teve seu lugar espiritualmente substituído pelo Blackmotion, também com motor 1.8. Já o 1.4 T-Jet, modelo apimentado que competia diretamente com o Peugeot 208 GT, deixa de ser produzido sem sucessor no lugar.


Na versão de entrada Attractive, oferecida unicamente com motor 1.4 8 válvulas Flex e câmbio manual, passam a ser itens de série: rádio com CD/MP3 Player e entrada USB, volante revestido em couro com comandos do rádio e vidros elétricos nas 4 portas com acionamento por um-toque e recurso anti-esmagamento.


Como opcional, esta versão traz o Kit Itália, que traz central multimídia Uconnect com tela touchscreen de 5 polegadas e GPS, volante em revestido em couro com comandos do rádio e telefone, retrovisores elétricos, alarme, rodas de liga leve de 15 polegadas com pneus 195/60, faróis com máscara negra, faróis de neblina e lanternas com bordas escurecidas.


Na versão Essence, passam a ser itens de série: central multimídia Uconnect com entrada USB, Bluetooth e comandos de voz, volante em couro com comandos do rádio e telefone, vidros elétricos com recurso um-toque e função antiesmagamento, alarme, rodas de liga leve aro 16'' com pneus 195/55 e sensor de estacionamento traseiro com visor gráfico. Não há opcionais.


Disponível com o motor 1.6 16 válvulas, o Punto Essence também pode ser equipado com o câmbio automatizado Dualogic Plus, incluindo seleção das marchas por aletas no volante e controlador automático de velocidade.


Já o Punto Blackmotion 1.8, disponível com câmbio mecânico ou Dualogic (ambos de 5 marchas) também ganha o sistema Uconnect e volante multifuncional revestido em couro. Como opcionais, há dois kits: o Stile 3 (que inclui bancos revestidos parcialmente em couro, banco traseiro bipartido com apoio de braço central, rodas de liga leve aro 17'', inclusive o estepe, e pneus 205/50) e o Blackmotion (agrega teto solar elétrico Skydome, ar-condicionado automático digital, retrovisor interno eletrocrômico, acendimento automático dos faróis, sensor de chuva e câmera de ré). Na versão automatizada, há ainda o seletor de modos de condução DNA (Dinâmico, Normal, Autonomia).


Estão disponíveis nas concessionárias os acessórios Mopar, que abrangem câmera de ré no retrovisor, alarme, rede no porta-malas, rodas de liga leve, bolsa ecológica, rede no banco dianteiro, pedaleiras esportivas, capas de retrovisor, frisos laterais e ponteira esportiva, entre outros itens.


Tabela de preços

Punto Attractive 1.4 – R$ 51 650
Punto Essence 1.6 – R$ 57 560
Punto Essence Dualogic 1.6 – R$ 61 690
Punto Blackmotion 1.8 – R$ 63 620
Punto Blackmotion Dualogic 1.8 – R$ 67 510


Teresina Moto Week reúne clássicos e atrações sobre duas rodas


A Ponte Estaiada foi palco do Teresina Moto Week, e dia 15 de maio coincidiu do local receber tanto os veículos da velha guarda quanto as esportivas de duas rodas. Começando pelos clássicos, o dia não reuniu tantos carros, mas foi possível observar todos sem pressa, a começar por este Chevrolet Bel-Air de 1953, com pintura em dois tons (verde e branco), carregando em seus cromados o charme dos anos dourados da indústria automotiva norte-americana.


Os Fuscas se reuniram em peso - seja dos anos 1960 ou já da época "Itamar", em variadas cores e personalização, os besouros dominaram a porção norte do estacionamento da ponte.



O Opala de Luxo 4100 representava a primeira fase do modelo cupê no Brasil, conservando detalhes clássicos como os cromados circundando os arcos dos para-lamas e os pneus com uma fina banda branca. E, no interior, o ar-condicionado é uma comodidade muito bem-vinda neste clima teresinense... Trata-se de um exemplar de 1974, justamente o ano no qual passou por uma reestilização.


Já o Impala 1960 remete à época dos automóveis full-size norte-americanos, carregando inspirações aeronáuticas, como nas aletas do capô, no adorno nas portas traseiras, no formato das lanternas e nos rabos-de-peixe.


Outro Opala - ano 1979 - representava a segunda fase do cupê em nosso mercado, com a atualização que abrangeu frente e traseira, além de detalhes de acabamento. Interessante é notar que a tonalidade da cor da carroceria é similar à adotada no interior...


Outros carros nem são tão antigos assim, mas permanecem admiráveis. O Land Rover Defender 90 com pintura em dois tons é um dos modelos off-road mais admirados em todo o mundo, e o BMW 328i causou sensação na época em que foi lançado no Brasil, ainda envolto pela magia da abertura das importações em nosso mercado automotivo.


O Volkswagen Passat de 1981 (modelo 82), em sua fase "quadrada", trazia um visual mais antenado às tendências de época, que abandonavam os faróis redondos e reduziam o uso de cromados em prol de peças plásticas. Havia o Passat "3-portas", com tampa traseira integrada à vigia traseira e acesso ampliado ao compartimento, porém o modelo das imagens conta com a abertura tradicional. 



Já o arquirrival do Opala, o Ford Maverick, apareceu em sua versão Super Luxo de 1977, era adornado com plaquetas identificadoras da versão, calotas cromadas, volante de dois raios, frisos cromados na grade e na traseira, além de bancos revestidos em curvim.



Em ótimo estado de conservação, o Fiat 147 L completa em 2016 40 anos de lançamento no Brasil. Este exemplar é de 1980, restaurado conforme todas as especificações de época, incluindo aí o rádio. A despeito das dimensões compactas, as linhas retas proporcionavam bom aproveitamento de espaço, assim como o estepe no cofre do motor.


E o Dodge Dart 1971 representava o requinte do início da era Chrysler estabelecida no Brasil, com suas quatro portas (de aceitação restrita naqueles tempos), teto de vinil e calotas cromadas. A despeito dos bancos inteiriços e do visual sóbrio, o motor é um 5.2 V8, que lhe conferia desempenho não muito distante ao do Charger R/T.



E as motos? Bom, elas estiveram em peso: reunidas, Hayabusa, Ninja, Fireblade, Transalp e outros modelos eram como colírio aos olhos dos presentes... Mas nossa preferida é a estradeira Honda Gold Wing (obviamente por ser a mais próxima de um automóvel), presente inclusive em sua edição de aniversário de 40 anos, limitada a 40 unidades. Confira mais imagens abaixo:


Curta a página do Auto REALIDADE!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...