Nissan March e Versa 2019 estreiam novidades na central multimídia

Porsche apresenta reestilização do Cayenne


Este ano, a Porsche reestilizou o Panamera e, com o início das vendas do inédito Macan, o Cayenne também recebeu novo design e motorizações mais eficientes. Apesar de ser um modelo controverso desde seu lançamento, em 2002, o SUV obteve êxito em vendas, e só nos últimos quatro anos (quando estreou a segunda geração), vendeu mais que a primeira geração em oito anos (303 000 vs. 276 000 unidades, aproximadamente).



O redesenho envolveu a dianteira (com novos faróis de bi-xenônio com quatro feixes de LEDs, além do Porsche Dynamic Light System na versão Turbo; capô levemente redesenhado, e, no para-choque, novas aletas de resfriamento dos intercoolers) e a traseira (as lanternas possuem novo formato, o local para a placa, a maçaneta da tampa porta-malas e as saídas de escape também são novos).


Internamente, as novidades são o volante com shift paddles (borboletas para troca de marchas), com visual e funções baseados no volante do 918 Spyder, e os bancos traseiros, mais confortáveis (segundo a Porsche) e com ventilação opcional. Já a abertura do porta-malas por acionamento automático é de série.


Mais eficiente, o Cayenne teve potência e o torque aumentados, sem descuidar da economia de combustível, significativamente melhor com auxílio da função de marcha neutra, do auto stop-start plus e das aletas ativas de resfriamento de ar, que ficam por trás da abertura de admissão central e são controladas de acordo com o modo de direção e necessidades de resfriamento específicas, ajustando o volume de ar necessário para o resfriamento e, quando fechadas, melhoram a aerodinâmica e reduzem a força de arrasto do ar.


O Cayenne S E-Hybrid conta com uma bateria de tração de íon de lítio de 10,9 kWh, com autonomia de 18 a 36 km, e potência mais do que dobrada: de 47,6 cv (34 kW) para 96,3 cv (70 kW). Junto com o motor a combustão 3.0 V6 com supercompressor (337 cavalos), a força combinada é de 421 cv @ 5500 rpm e 60,2 kgfm de torque entre 1250 e 4000 rpm. Este modelo acelera de 0 a 100 km/h em 5,9 segundos e alcança avelocidade máxima de 243 km/h. Apenas com o motor elétrico, a velocidade final é de 125 km/h. Sua bateria pode ser carregada tanto em uma tomada como enquanto o carro está sendo dirigido. Seu consumo médio é de 29,4 km/l, com emissão de 79 g/km de CO2. 


Já o novo motor 3.6 V6 Biturbo do Cayenne S substitui o V8 e gera 425 cavalos @ 6000 rpm e 56,1 kgfm de torque entre 1350 e 4500 rpm. O modelo cumpre a prova de 0 a 100 km/h em 5,5 segundos (ou um décimo a menos, com o pacote Sport Chrono opcional) e alcança 259 km/h. Seu consumo médio de combustível varia entre 10,2 e 10,5 km/l (emitindo de 223 a 229 gramas de CO2 por quilômetro rodado), 1,1 km/l mais econômico que o V8 anterior. A transmissão Tiptronic S possui oito marchas.

O Cayenne Turbo traz um motor 4.8 V8 de 527 cv @ 6000 rpm e torque de 76,5 kgfm entre 2250 e 4000 rpm. O modelo acelera de 0 a 100 km/h em 4,5 segundos (4,4 segundos com o pacote Sport Chrono opcional), e a velocidade máxima é de 279 km/h. O Cayenne Turbo tem consumo médio entre 8,9 e 8,7 km/l (emitindo de 261 a 267 g/km de CO2).


A nova geração do Cayenne estará disponível no mercado brasileiro no primeiro quadrimestre de 2015, nas versões Turbo, S e E-Hybrid – este último será vendido no País somente por encomenda. O Cayenne Turbo 2015 já está confirmado como uma das atrações no estande da Porsche no Salão do Automóvel de São Paulo, aberto ao público de 30 de outubro a 9 de novembro. Já o preço dos novos modelos será anunciado apenas em seu lançamento nacional.



Comentários