Detalhes do Renault Captur 1.6 Life automático, para o público PCD

Renault apresenta nova geração do Sandero


O Renault Sandero passa por sua primeira remodelação completa no Brasil, agora mais unido ao irmão de projeto Logan: quando os dois modelos foram lançados nacionalmente, em 2007, o sedan ostentava estilo romeno de linhas retas, quase sem concessões estéticas ao público brasileiro, enquanto o Sandero teve suas linhas traçadas no Centro de Design francês da montadora, com estilo mais ousado e compartilhando apenas os retrovisores com o irmão, externamente. Mas em 2013 o Logan se tornou "unbelievable" em sua nova geração, e agora, com exceção do para-choque dianteiro (com molduras mais definidas para os faróis de neblina), o novo Sandero se tornou praticamente um Logan Hatch. Até as portas dianteiras, é tudo igual ao sedã, incluindo rodas e calotas. O recorte das portas traseiras é um dos poucos detalhes que remete ao Sandero anterior, e a distância entre-eixos foi encurtada em 4 centímetros para equilibrar as proporções da carroceria. Já a traseira, mesmo em formato hatch, possui todos os elementos da parte de trás do Logan: lanternas, logotipos centralizados, placa no para-choque e refletores. O vidro traseiro se estreita a medida que chega às laterais, como no Chevrolet Onix.

Curiosamente, a cor azul remete à tonalidade adotada no lançamento do Sandero, em dezembro de 2007. O preço da versão básica - R$ 29 980 - também é parelho ao de sete anos atrás.


Internamente, quem conhece o novo Logan vai se sentir muito familiarizado. Volante, quadro de instrumentos, painel e bancos são como os do sedan, mais modernos. A partir da versão Expression, o quadro de instrumentos recebe computador de bordo; na versão Dynamique, os destaques são o ar-condicionado automático e a central multimídia Media NAV 1.2, com tela de sete polegadas sensível qo toque, funções Eco-Coaching e Eco-Scoring (dicas e resultados da condução "verde", em prol do meio ambiente), GPS, Bluetooth, rádio, entrada USB, visualização da temperatura externa, da câmera de ré e informações do ar-condicionado automático.

O interior abriga de 8 a 11 porta-objetos, conforme a versão. Nas laterais das portas dianteiras e traseiras há porta-mapas e porta-garrafa, que suportam embalagens de até 1,5 litro na frente, enquanto copos e latas podem ser levados à frente do câmbio a atrás do freio de mão. Seu porta-luvas tem a capacidade de 5,7 litros.


Não houve variação na capacidade do porta-malas, que já era uma das maiores do segmento: 320 litros. Rebatendo-se o banco traseiro, o número sobe para 1196 litros.


A motorização 1.0 16v Hi-Power, originada no Clio e idêntica ao Logan, gera 80 cavalos com etanol ou 77 cv com gasolina. O torque é de 10,2 kgfm (gasolina)/ 10,5 kgfm (etanol), a 4250 rpm. No quesito consumo de combustível, esta versão alcançou a classificação A no Programa de Etiquetagem Veicular do Inmetro, fazendo na cidade 8,1 km/l com etanol e 11,9 km/l com gasolina. Na estrada, os números são de 9,2 km/l (etanol) e 13,4 km/l (gasolina).


Já o 1.6 8v Hi-Power produz 106 cavalos quando abastecido com etanol e 98 cv com gasolina, além de torque máximo de 15,5 kgfm com etanol e 14,5 kgfm com gasolina, sendo que 85% do torque está disponível a partir de 1500 rpm. Em todas as versões, a capacidade do tanque de combustível é de 50 litros.

Entre agosto e setembro deve chegar a versão com câmbio automatizado, provavelmente com o motor 1.6 de 16 válvulas.


A versão Authentique 1.0 traz de série airbag duplo, freios ABS com EBD (distribuição eletrônica da força de frenagem), direção hidráulica, volante com regulagem da altura, ar quente, desembaçador traseiro calotas aro 15’’ com pneus 185/65, retrovisor com regulagem manual e alavancas de abertura interna do porta-malas e da tampa do tanque de combustível.



O modelo Expression, que pode ser equipado com o motor 1.0 16v ou o 1.6 8v, possui os mesmos equipamentos da versão Authentique, além de rádio/CD MP3 Double-DIN com entrada USB e Bluetooth, vidros elétricos (dianteiros), travas elétricas das portas, alarme perimétrico, computador de bordo com seis funções (litros de combustível consumidos, consumo médio, consumo instantâneo, autonomia, distância percorrida e velocidade média), retrovisores/maçanetas externas na cor da carroceria e coluna B com acabamento preto.


Já o Dynamique (R$ 43 820; oferecido somente com motor 1.6) traz, ainda, bancos CCT (de estilo mais esportivo e espumas mais espessas), rodas de liga leve aro 15’’, faróis de neblina, vidros elétricos dianteiros e traseiros, controlador de velocidade, luzes indicadoras de setas nos retrovisores, comando elétrico dos retrovisores, banco rebatível (1/3 e 2/3) e volante revestido em couro.

Em duas semanas, o Sandero deverá estar em todas as concessionárias Renault do Brasil. Em algumas autorizadas, ele chegou nos últimos dias de junho.


Comentários