Os detalhes da Chevrolet Spin LTZ 2019 com câmbio automático

Ford mostra a evolução dos volantes do Mustang, de 1964 a 2017


A Ford encontrou uma forma criativa de contar a história da evolução do Mustang. No lançamento do pony car, em 1964, os volantes eram grandes, finos e no máximo incorporavam a buzina...


1964 – A primeira geração do Mustang introduziu o padrão clássico de estilo e proporções: capô longo, cabine estreita e traseira curta. O interior tinha um volante de três raios de alumínio com aro imitando madeira e a buzina no centro. Seu diâmetro era grande, de 16 polegadas, e a assistência hidráulica era opcional.

1967 – A direção passava a ser ajustável em sete posições e era assistida com relação mais rápida (20,3:1).

1968 – O Mustang introduziu a coluna de direção colapsável para reduzir a possibilidade de lesão em acidentes. O volante de dois raios também ganhou uma seção central maior e almofadada, com a buzina no aro de metal.

1974 – Na segunda geração, o Mustang II ganhou um volante de dois raios revestido em couro. A opção de direção assistida com pinhão e cremalheira permitiu que o volante ficasse menor, com 15 polegadas.

1979 – O volante de dois raios foi substituído por um de quatro, mais tarde compartilhado com outros carros da Ford. Os comandos do limpador de para-brisa e faróis passaram para uma haste na coluna de direção. O controlador automático de velocidade, oferecido em versões com câmbio manual, era controlado por botões no volante.

1984 – O Mustang SVO (Special Vehicle Operations), versão de alta performance com motor turbo de quatro cilindros, trouxe um volante de três raios com ajuste de altura e profundidade, aro mais grosso e diâmetro menor, de pegada esportiva. Os logotipos Ford e "SVO" vinham gravados no centro do revestimento de couro.

1990 – O Mustang recebeu seu primeiro airbag de série, instalado no centro do volante. Com isso, a buzina foi transferida para dois botões laterais. Os botões do piloto automático também ganharam uma posição mais ergonômica.

1994 – A quarta geração do Mustang fez uma homenagem ao modelo original de 1964, com a volta do cockpit duplo. O comando da buzina voltou para o centro do volante, integrado à tampa articulada do airbag.

2005 – O volante de três raios da quinta geração do Mustang fez uma releitura do modelo 1965-1967, com raios de plástico, ou opcionalmente de alumínio, e aro revestido de couro.

2010 – Com a tecnologia SYNC, muitos botões foram adicionados para os comandos de voz do telefone, músicas, rádio e outras funções. O emblema central de acrílico foi trocado por um de alumínio polido, estampando o cavalinho ou uma cobra, no caso do Shelby GT500.

2013 – O volante do Mustang tornou-se o centro de controle de tecnologia do carro. Passou a incluir um botão de quatro vias, além de um “OK” para controle da tela do painel de instrumentos. Nos modelos Boss 302 e Shelby GT500, era revestido de couro Alcantara, inspirado em competições.

2015 – Na sexta geração do Mustang, o volante redesenhado incorpora até 20 botões. Os da direita comandam o SYNC e o rádio, enquanto os da esquerda controlam o controlador automático adaptativo de velocidade e a tela do painel de instrumentos. Os paddle shifts foram oferecidos pela primeira vez no Mustang com transmissão automática. Seu airbag circular é o único com esse formato em toda a linha Ford. É também o volante de menor diâmetro da marca, com 14 polegadas. Os raios de alumínio têm acabamento nas bordas para que o motorista toque apenas no couro ao segurar o volante.

2017 – O volante do novo Mustang 2018 traz funções como os modos de direção, controle de arrancada e outros, além dos comandos do quadro de instrumentos, que agora é totalmente digital e de 12 polegadas. Este é o Mustang que será comercializado no Brasil a partir do próximo ano.

Comentários