Volvo 164, predecessor dos sedans de luxo da marca, completa 50 anos



No fim dos anos 1950, os engenheiros da Volvo tinham a ideia de projetar um carro de dimensões maiores e mais exclusivo. Seria um modelo com motor V8, com uma ampla grade vertical. No entanto, uma pesquisa indicou que os veículos compactos eram o futuro, especialmente nos EUA, fazendo com que o projeto fosse encerrado em 1960. Mas em 1966 nasceu a ideia de colocar um motor de seis cilindros em linha na carroceria do compacto 140.


O projetista-chefe Jan Wilsgaard manteve o chassi da série 140 e usou a frente do projeto 358 da década de 1950 para conceber o 164. O logotipo da marca em ferro assumiu uma posição de destaque, colocado na diagonal, da mesma forma que no primeiro Volvo em 1927 – e como é visto nos modelos atuais. O chassi do 140 também foi ampliado em 10 centímetros do para-brisa para a frent, medida necessária para dar espaço ao recém-desenvolvido motor 3.0 de seis cilindros, designado como B30, com 145 cavalos e dois carburadores Zenith-Stromberg. A caixa de transmissão era da ZF e a alavanca de câmbio, relativamente curta, estava posicionada entre os bancos dianteiros.



Os acessórios eram consideravelmente mais luxuosos do que na série 140, com um tecido grosso de lã nos assentos, tapetes de tecido e banco traseiro para duas pessoas, com um apoio de braço ao centro. Após o primeiro ano de produção, o 164 recebeu de série estofado de couro, faróis auxiliares halógenos e apoios de cabeça integrados. Nos EUA, foi oferecido com vidros elétricos escurecidos, teto solar elétrico e ar-condicionado.


O Volvo 164 passou por melhorias contínuas ao longo de sua vida, recebendo injeção eletrônica de combustível a partir de 1972. O último modelo saiu em 1975, e todos os carros construídos naquele ano foram exportados para os EUA. Até então, seu o sucessor, o 264, já havia entrado em produção.

5 fatos sobre o Volvo 164:
1. Somente uma unidade do modelo foi transformado em ambulância. A divisão de veículos especiais da Volvo tinha um protótipo construído, significativamente mais alto e com distância entre os eixos maior. Ele se tornou o precursor das ambulâncias que, mais tarde, seriam criadas com base no Volvo 265.


2. A produção do 164 foi transferida para a Kalmar em 1974. Os métodos usados na nova fábrica da Volvo eram modernos para a época. As unidades em fabricação eram movidas em carrinhos operados por bateria, controlados por loops no chão. As equipes montavam os carros e se revezavam para supervisionar e realizar diversas atividades de produção.

3. O protótipo do cupê Volvo 262C, construído na Itália, foi baseado em um 164. O designer Coggiola o converteu em um coupé de duas portas muito parecido com o modelo de produção, mantendo a frente do 164. O nome 262C seria aproveitado no cupê da série 200, fabricado entre 1977 e 1981.


4. O motor B30 de seis cilindros do Volvo 164 também foi usado em vários veículos off-road militares da Volvo. Uma versão marítima dele, com três carburadores, também foi produzida pela Volvo Penta.


5. O fabricante italiano de carrocerias Zagato adornou seu estande no Salão de Genebra de 1970 com o cupê esportivo 3000 GTZ. Com motor B30 sob o capô e baseado mecanicamente no 164, foi o único protótipo construído do modelo. Rumores apontam que a unidade existe até hoje.

Comentários

Postar um comentário

Na seção de comentários do Auto REALIDADE você está livre para escrever o que você achou da matéria.

Caso você queira fazer perguntas maiores, incluir fotos ou tirar dúvidas, envie e-mail para blogautorealidade@hotmail.com

Sua opinião é muito importante para o Auto REALIDADE! Estamos a disposição no Facebook (http://www.facebook.com/AutoREALIDADE), no Instagram (http://www.instagram.com/autorealidade e no Twitter (@AutoREALIDADE).