Detalhes do Toyota Corolla GLi manual, de R$ 69 690


Nem sempre os termos "sedan médio" e "carro de luxo" estão unidos: lembra do VW Santana nos anos 2000, que ficou mais simples após a chegada do Bora? Do Vectra Expression? E do Honda Civic LX-B, que nem tinha ar-condicionado de série? O conceito é igualmente válido para o Toyota Corolla, que começou a ser produzido em Indaiatuba (SP) em 1998, e aos poucos foi ganhando refinamentos. Na linha 2016, sua atual geração recebe novidades em suas versões (leia mais sobre as mudanças clicando aqui).

A GLi, de entrada, passa a se subdividir em três níveis: básica com câmbio manual ou CVT e Upper, mais equipada. Nesta postagem trataremos do GLi manual, pintado na cor Cinza Galáctico (metálica) e equipado com alguns acessórios - apliques cromados nas maçanetas externas, frisos laterais, soleiras das portas e ponteira de escape cromada, oferecidos como opcionais. Por fora, a ausência de faróis de neblina e a presença de rodas de aço protegidas por calotas aro 16'' evidenciam a versão mais simples. Como bem lembraram alguns integrantes do Grupo Auto REALIDADE, é a ressurreição do Corolla XLi, o mais básico.


Internamente, são evidentes os esforços em manter seu preço abaixo do patamar dos R$ 70 mil, em detrimento da lista de equipamentos. O rádio foi removido (há uma tampa com círculos em baixo-relexo; também foram-se embora os comandos no volante), o banco traseiro passa a ser inteiriço (sem descansa-braço ou porta-copos), só o passageiro da frente possui espelho no para-sol (sem luz de cortesia) e não há indicador de condução econômica no quadro de instrumentos. No lugar do couro nos bancos, tecido cinza - os assentos são bem confortáveis e a distância entre-eixos de 2,70 metros proporciona ótimo espaço para as pernas. O porta-malas acomoda 470 litros, mas não há mais a opção de rebater parte do banco de trás, o que reduz a versatilidade do espaço interno.


De série, o GLi manual possui ar-condicionado com filtro, direção elétrica progressiva com ajuste de altura e profundidade, computador de bordo no quadro de instrumentos (que indica consumo médio de combustível, autonomia do combustível, velocidade média, tempo de condução, controle da iluminação do painel e temperatura externa, além de hodômetro total e parcial), alavancas de abertura interna do porta-malas e do tanque de combustível, retrovisores externos com luzes de seta e ajustes elétricos, limpador do para-brisa com temporizador, luz de leitura central, porta-luvas iluminado, porta-objetos nas laterais das quatro portas, apoio central com porta-trecos embutido, relógio digital, vidros frontais com película antirruído, chave com comandos de travas das portas, abertura do porta-malas e alarme, desembaçador traseiro, porta-objetos central com tampa e tomada de 12 Volts (foto ao lado), quatro vidros elétricos (com acionamento um-toque para o motorista), porta-revistas para os ocupantes traseiros e estepe com pneus de mesma medida das 4 rodas (Pirelli 205/55 aro 16).


O Corolla GLi manteve equipamentos de segurança como cinco airbags (frontais, laterais dianteiros e para os joelhos do motorista), apoios de cabeça com regulagem de altura e cintos de três pontos para os cinco ocupantes, alerta sonoro e luminoso para desatamento dos cintos de segurança frontais com o carro em movimento, alertas sonoros para chave na ignição, portas abertas e faróis ligados, sistema ISOFIX para fixação de cadeirinhas infantis, cintos dianteiros com pré-tensionadores, limitadores de força e regulagem de altura; travas automáticas a partir de 20 km/h e freios a disco (ventilados na frente, sólidos atrás) com ABS e EBD (distribuição eletrônica de frenagem). Nos testes de impacto promovidos pelo Latin NCAP, obteve 5 estrelas de proteção para adultos e 4 estrelas para crianças em cadeirinhas infantis.


O motor é o mesmo 1.8 Dual VVT-i Flex do GLi 2015, sem reservatório para partida a frio, e que rende 144 cavalos e 18,6 kgfm de torque a 4800 rpm (utilizando etanol). De acordo com o Programa de Etiquetagem Veicular do INMETRO, o Corolla manual consome 7,3 km/l na cidade e 9,1 km/l na estrada utilizando o combustível proveniente da cana-de-açúcar. Com gasolina, as médias são de 10,7 km/l em percurso urbano e 13,2 km/l no percurso rodoviário. Seu tanque de combustível tem capacidade de 60 litros.

Os preços das versões manual e CVT são bem próximos: R$ 69 690 para a versão com câmbio de seis marchas, R$ 69 990 para o modelo automático sequencial (com sete marchas "virtuais"). Motivo: a legislação nacional estipula o limite de R$ 70 mil para a isenção de impostos no caso de carros para uso por pessoas com deficiências físicas. É o único carro médio que ainda pode ser adquirido por este público.

Até setembro de 2015, os preços das revisões serão fixos, podendo ser parcelados em 3 vezes. A revisão de 10 mil quilômetros (ou 12 meses) sai por R$ 218,20; a de 20 mil km/2 anos custará R$ 458,50; chegando aos 30 mil km/36 meses, a revisão custará R$ 327,40; aos 40 mil/4 anos, R$ 667,40. Atingindo a marca dos 50 000 quilômetros ou 60 meses, o custo da revisão é de R$ 327,40, e aos 60 mil km/6 anos, R$ 458. A garantia é de 3 anos sem limite de quilometragem para uso particular; em casos de unidades compradas para uso comercial, o limite para a cobertura de fábrica é de 100 000 quilômetros.


Comentários

  1. Gostaria de Parabenizar o blog. Sou portador de deficiência física e me interesso muito pelo Corolla GLI até R$70.000, pois até esse valor temos direto a todos os descontos permitidos por Lei. Somente aqui encontrei fotos mais detalhadas desse modelo tanto do interior quanto do exterior, outros sites somente detalham as versões mais caras. Obrigado, parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, também sou PNE. Já comprei um Ford Focus em 2013 com as isenções. Agora em 2016 vou comprar outro carro e estava de olho no Corolla GLI Automático que ainda está entrando nos 70 mil... Mas esta muito básico... Olhei o Fluence Dynamique Plus da Renault que aqui na minha cidade está custando 86 mil e o vendedor me garantiu coloca-lo dentro da tabela, resumindo, vou pagar o mesmo preço do Corolla GLI só que com itens do Altis.

      Excluir
    2. Boa opção amigo, mas penso muito no pós vendas, aqui na minha região teria dificuldades para revender um renault, já o Corolla mesmo pelado terá mais valor de revenda...abraço, boa sorte...

      Excluir
    3. Eu não ligo muito pra valor de revenda, acredito que a maioria dos carros, quando foi bem cuidado,vende bem. Fui ver o Fluence também, e por pouco mais de 53 mil da um banho em acessórios. Entretanto, o consumo daquela barca é muito elevado, e acabei optando pelo Corolla cvt pelado mesmo, por 54650, gastei mais 1600 com rodas e 2000 com multimidia. No total foram quase 58500, ele tem tudo que eu preciso, é econômico e confiável.

      Excluir
  2. Excelente Artigo!!!! Parabens ao site!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns por expor a realidade que a Toyota insere os seus clientes. Pelo menos um som podia ter...

    ResponderExcluir
  4. Colocando uma multimídia e rodas no Corolla, torna a compra com o melhor custo-beneficio para o público PCD, pois é um carro econômico e com boa revenda.

    ResponderExcluir
  5. Excelente matéria, bem didático. Ainda um pouco indeciso, mas acho que tendenciarei pelo corola. Abço

    ResponderExcluir
  6. Excelente matéria, bem didático. Ainda um pouco indeciso, mas acho que tendenciarei pelo corola. Abço

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Na seção de comentários do Auto REALIDADE você está livre para escrever o que você achou da matéria.

Caso você queira fazer perguntas maiores, incluir fotos ou tirar dúvidas, envie e-mail para blogautorealidade@hotmail.com

Sua opinião é muito importante para o Auto REALIDADE! Estamos a disposição no Facebook (http://www.facebook.com/AutoREALIDADE), no Instagram (http://www.instagram.com/autorealidade e no Twitter (@AutoREALIDADE).