Destaques do Auto REALIDADE

quinta-feira, 3 de março de 2016

Ajustar velas [Alta Roda]


A eterna rivalidade entre otimistas e pessimistas sobre o que ocorrerá este ano com o mercado interno de veículos atingiu seu ápice nas últimas semanas. Stefan Ketter, presidente da FCA (Fiat Chrysler Automobiles) para a América Latina e principal executivo do grupo no Brasil, primeiro a se manifestar a uma pergunta direta deste colunista, não fez previsões diferentes da Anfavea, que ainda acredita em um segundo semestre de reação e um resultado final de menos 7,5% (2016 x 2015) ou algo em torno de 2,38 milhões de veículos leves e pesados.


Ele acrescentou: "O brasileiro é extremamente crítico quando fala de si, o que não faz sentido. É preciso acreditar mais no seu talento, acreditar mais em nosso povo.” Uma posição surpreendente talvez porque a Fiat, líder de mercado, tenha dois produtos novos este ano (picape Toro já lançada e subcompacto Mobi no próximo mês). A outra marca da FCA, Jeep, também vai bem com uma fábrica inteiramente nova em Pernambuco.


Quatro dias depois, Dan Ammann, presidente mundial da GM, veio ao Brasil e manifestou enorme preocupação com os rumos da economia e política brasileiras. “Teremos que reavaliar os investimentos de R$ 6,5 bilhões no Brasil, se a situação não se alterar até meados de 2017”, disse ao jornal O Estado de S. Paulo. Acrescentou que o país não é competitivo de um modo geral, inclusive para exportar automóveis, nem que o dólar suba para R$ 4,50. Ele prevê que este ano se vendam no máximo dois milhões de unidades, um recuo expressivo de 22% que se juntando aos 27% de 2015 contra 2014, chega a 55%.


O presidente da Volkswagen do Brasil, David Powels, dois dias depois da Ammann, reconheceu plenamente as dificuldades da indústria automobilística, mas não falou em diminuição de investimentos e adiamento de planos. Centrou-se na marca, que sofre desgaste de imagem com os problemas dos motores diesel, e preferiu falar sobre os esforços para aumentar produtividade e qualidade nas suas quatro fábricas com muito treinamento. “Continuaremos a incrementar nossas exportações”, acrescentou.


Passaram-se mais quatro dias e o presidente da JAC Motors, Sérgio Habib, considerado mestre das estatísticas, comparou o que acontece hoje no Brasil com outros países que tiveram quedas bastante expressivas nos anos recentes: EUA, Espanha, Itália e Portugal. “Nada indica que somos diferentes dos outros. Este ano teremos nova queda superior a 20% e será difícil chegar a dois milhões de veículos vendidos (incluídos os pesados). Regredimos para o ano de 2006”. Quanto ao futuro foi ainda mais ácido: só entre 2022 e 2023 voltaremos ao patamar já atingido em 2013.

O balanço entre as afirmações de quatro executivos tendem nitidamente para um tempo de suor e lágrimas. Desemprego em alta, inflação fora da meta e desajustes fiscais de fato desanimam. William Ward, teólogo católico inglês (1812-1882), cunhou a frase: “O pessimista se queixa do vento, o otimista espera que ele mude e o realista ajusta as velas.” O grande problema do Brasil é saber como e quem vai ajustar as velas. Se os políticos deixarem.

RODA VIVA


ENTRE os quatro produtos de uma nova arquitetura de compactos até 2018, tudo indica a transformação do Fox num crossover para atender o mercado de SUVs compactos em que a VW está ausente (CrossFox é paliativo). Mudanças devem ser mais profundas que no Honda WR-V, na realidade uma evolução no Fit Twist com a tradicional criatividade brasileira.


JAC T5 é um SUV compacto que demonstra a evolução chinesa principalmente em relação ao estilo em parceria com casas italianas de desenho. Interior muito espaçoso, boa posição ao volante e porta-malas grande (600 litros, mas aqui há exagero no método de medição). Suspensão passa sensação de firmeza e segurança, apesar da altura típica desses modelos.


MOTOR de 1,5 L/127 cv (etanol) do T5 junta-se a câmbio manual de seis marchas para reduzir consumo (automático CVT disponível em agosto). Lista de equipamentos do T5 é generosa. Sistema multimídia com tela de 8 pol. (só encontrável em veículos de maior porte) permite espelhar telefones Android e aplicativo Waze. Preços são bem competitivos: R$ 59.990 a R$ 68.990.

SEGUNDO o Cesvi (Centro de Experimentação e Segurança Viária) a chave de ignição presencial, entre outras vantagens práticas como acionar o veículo sem necessidade de inserir a chave no painel ou coluna de direção, tem características adicionais interessantes. Ela dificulta a localização de antenas de curto alcance e equipamentos usados em furtos de automóveis.

SITE especializado em cotações de preços de seguros para automóveis – www.comparaonline.com.br/seguroauto – é boa ferramenta para quem quer economizar. Não inclui a totalidade das seguradoras, mas permite pesquisas abrangentes, em especial pelo valor da franquia, coberturas, benefícios e formas de pagamento. Tudo grátis, porém, pede dados pessoais.

Fernando Calmon (fernando@calmon.jor.br), jornalista especializado desde 1967, engenheiro, palestrante e consultor em assuntos técnicos e de mercado nas áreas automobilística e de comunicação. Sua coluna automobilística semanal Alta Roda começou em 1º de maio de 1999. É publicada em uma rede nacional de 98 jornais, sites e revistas. É, ainda, correspondente no Brasil do site just-auto (Inglaterra).


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Na seção de comentários do Auto REALIDADE você está livre para escrever o que você achou da matéria.

Caso você queira fazer perguntas maiores, incluir fotos ou tirar dúvidas, envie e-mail para blogautorealidade@hotmail.com

Sua opinião é muito importante para o Auto REALIDADE! Estamos a disposição no Facebook (http://www.facebook.com/AutoREALIDADE), no Instagram (http://www.instagram.com/autorealidade e no Twitter (@AutoREALIDADE).

Curta a página do Auto REALIDADE!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...