Dirigimos o VW Golf Comfortline TSI: motor 1.0 + câmbio manual mandam bem?


2016 foi um ano de transformação para o Volkswagen Golf: o hatch médio volta a ser fabricado em São José dos Pinhais (PR), em conjunto com o Audi A3 Sedan - a quarta geração do VW e a primeira geração do A3 Hatch coexistiram na mesma linha de montagem entre 1999 e 2006. Com a nacionalização, foram apresentadas novas versões e feitas adaptações para o mercado local, como a conversão do motor 1.4 TSI para queimar etanol e gasolina, além da substituição do câmbio automatizado de dupla embreagem DSG de 7 marchas pelo automático Tiptronic de 6 marchas e da alteração do tipo da suspensão traseira (exceto o GTI), que era multilink e passou a ser de eixo de torção. O Golf Comfortline estreou no início do ano o motor 1.6 MSI 16 válvulas (adotado na linha Fox e Saveiro Cross) de 110/120 cavalos - clique para rever nossas impressões. A boa nova agora é a versão 1.0 TSI, que neste primeiro momento vem unida ao câmbio manual de 6 marchas.


Visualmente, os Golf MSI e TSI são idênticos - quem tem boa memória vai lembrar que as rodas e até a cor dos carros de test-drive guiados pelo Auto REALIDADE são as mesmas. O 1.4 traz a plaqueta "Bluemotion Technology" abaixo do logo TSI para se diferenciar do 1.0.


Internamente, praticamente tudo na versão 1.0 é igual ao 1.6, o que se traduz em painel com revestimento emborrachado, tecidos de densidade admirável, detalhes aluminizados no console e teto moldado em tecido. O porta-luvas deixa de contar com revestimento de carpete (mantendo iluminação e refrigeração), ainda que estejam preservados detalhes como porta-óculos emborrachado e botões com boa sensação de qualidade.


Todos os itens disponíveis no Golf Comfortline 1.6 também se estendem à versão 1.0. Isto significa que, de série, a nova versão vem com 7 airbags (frontais, laterais nos bancos dianteiros, de cortina e para os joelhos do motorista), direção elétrica, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro, ar-condicionado, controles eletrônicos de estabilidade e tração, freios ABS com EBD e Multicollision Brake (em caso de acidente, freia automaticamente até chegar à velocidade residual de 10 km/h), chave-canivete com comando remoto, som com 4 alto-falantes e 4 tweeters, acendedor de cigarros e cinzeiro (raridade em carros novos), alerta de perda de pressão dos pneus, apoios de cabeça e cintos de 3 pontos para os cinco passageiros...


...além de banco traseiro com encosto rebatível, bipartido (1/3 e 2/3) e descansa braço com porta-copos e acesso ao porta-malas, bancos dianteiros com ajuste de altura e do apoio lombar, bloqueio eletrônico do diferencial, cintos de segurança dianteiros com ajuste de altura, pré-tensionadores e limitadores de carga, coluna de direção com ajuste de altura e profundidade, porta-malas com iluminação e tomada 12 Volts, apoio de braço dianteiro com porta-objeto e regulagem longitudinal e de altura, computador de bordo, retrovisores externos elétricos, aquecíveis, com luzes de seta e função tilt down ao engatar a ré, faróis de neblina com luzes de conversão estática, fixação ISOFIX/Top tether para cadeirinhas, caveta sob o banco do motorista, lanterna de neblina, lavador e limpador do vidro traseiro com temporizador, luzes de leitura dianteiras e traseiras, porta-revistas nos encostos dos bancos dianteiros, refletores nas portas, rodas de liga leve aro 16" com pneus 205/55, central multimídia Composition Media" com tela touchscreen de 6,5 polegasas, sensor de aproximação, Bluetooth, entradas USB e auxiliar, tapetes em carpete, além de travas e vidros elétricos, com função um-toque.


Dirigir o Golf Comfortline 1.0 foi uma experiência muito interessante, pois foi o primeiro modelo que conduzimos com câmbio manual - que, além de ser tão preciso quanto até é de se esperar dos Volkswagen, possui engates macios e manopla ergonômica - além da embreagem ser bem fácil de se operar, aumentando a diversão ao dirigir. Apesar de pequeno, o motor 1.0 TSI conta com injeção direta de combustível, turbocompressor e outras tecnologias que fortalecem seu rendimento, entregando 5 cavalos a mais que o 1.6 aspirado quando abastecido com etanol (125 cv, ou 116 cv com gasolina) e tem significativos 4 kgfm de torque a mais (20,4 kgfm), que são entregues mais cedo ao motorista, já a partir de 2000 rpm. 

O resultado é um carro agradabilíssimo de guiar no dia-a-dia e também em estradas abertas, com boa disposição e sem características que identificam carros de três cilindros: o isolamento acústico e a atenuação das vibrações fazem esquecer que este motor, de 3 cilindros e 12 válvulas, é mecanicamente similar ao do up! TSI.


De acordo com a Volkswagen, o Golf 1.0 TSI cumpre a prova de 0 a 100 km/h em 9,7 segundos e atinge a velocidade máxima de 194 km/h, quando abastecido com etanol. O consumo também é animador: em nosso percurso urbano com esticadas, fizemos 12,2 km/l com gasolina - os números obtidos pelo Inmetro com este combustível são de 11,9 km/l na cidade e 14,3 km/l na estrada, enquanto com etanol, os resultados são de 8,4 km/l na cidade e 10,1 km/l na estrada.


O Golf Comfortline 1.0 TSI traz como opcionais o teto solar elétrico panorâmico (+ R$ 4500) e três pacotes de equipamentos. No Pacote Comfort (indisponível em "nosso" carro, por R$ 4632) acrescenta ar-condicionado digital de duas zonas e revestimentos em couro "Vienna". O Pacote Elegance (R$ 3200) agrega controle automático de velocidade com limitador de velocidade, retrovisor interno antiofuscante automático, rodas de liga leve aro 17" com pneus 225/45, sensor de chuva, acendimento automático dos faróis com função Coming & Leaving Home, além de volante revestido em couro com comandos do som, computador de bordo e controlador de velocidade. E o Pacote Exclusive (R$ 9549) adiciona, além de todos os itens do pacote Elegance, a central Discover Media com GPS e espelhamento da tela de smartphones compatíveis com Android Auto e Apple CarPlay, além das funcionalidades do Composition Media. Cores metálicas representam adicional de R$ 1400, e a Preto Mystic (perolizada), mais R$ 1500.


Ao preço de R$ 74.990, o Golf com motor 1.0 TSI surpreende os entusiastas da fórmula "hatch médio" + "desempenho interessante" + "consumo contido", ainda que o público brasileiro tenha resistência ao câmbio manual nesta faixa de mercado - basta lembrar que nenhuma versão do Cruze Sport6 é dotada da transmissão mecânica e, no Focus, ela só está disponível na versão 1.6 mais simples. Outro mérito do Volks é manter a mesma (recheada) lista de itens de série e opcionais que fizeram sua fama. A única incerteza recai sobre a reestilização pela qual passou na Europa: quanto tempo levará para o Golf brasileiro entrar na sala de intervenção estética?



Comentários