Dirigimos o Honda HR-V EXL 2019: confira as novidades do SUV


No primeiro semestre de 2015, Honda HR-V e Jeep Renegade estiveram entre os primeiros representantes de uma nova leva de utilitários esportivos no Brasil. E, com diferença de poucas semanas, ambos passaram por suas primeiras reestilizações. O HR-V teve suas principais modificações na frente: os faróis ganham novas guias de LED, projetores nos faróis baixos e dupla parábola. Frisos no topo das lentes se unem visualmente à grade cromada. O para-choque dianteiro também mudou, trazendo novos alojamentos para os faróis de neblina.



A cor Azul Cósmico Metálico é novidade para a linha 2019, bem como o estilo das rodas de 17 polegadas (com raios parcialmente pintados de preto-brilhante), que estão em todas as versões: LX, EX e EXL. Aliás, por fora, é praticamente impossível distinguir uma versão da outra, a não ser por pequenos detalhes (por exemplo, a ausência da câmera de ré entrega que o HR-V é o LX).


As lanternas passam a ser herdadas do modelo Touring, com lentes escurecidas e luzes de posição em LED. A Honda prepara o relançamento do HR-V Touring para 2019, trazendo sob o capô o motor 1.5 Turbo de 173 cavalos hoje existente na versão homônima do Civic - uma alternativa para o público de modelos como Volkswagen T-Cross 250 TSI, Citroën C4 Cactus THP e Chevrolet Tracker Turbo.


O interior também traz novidades, a começar pelos bancos dianteiros, com maior apoio lateral e para as coxas. O console central ganhou moldura em preto-brilhante e traz porta-objetos redesenhados à frente do apoio de braço dianteiro.


Quando o assunto é acabamento interno, o HR-V agrada. O painel traz inserções em material macio ao toque na seção central-direita e também ao redor da saída de ar do motorista. O destaque está nas portas, que trazem material liso e macio na parte superior, diminuindo ruídos e riscos (como os causados por unhas e chaves), além do couro junto aos apoios de braços. O couro, além dos bancos, está no descansa-braço frontal e ao redor do console elevado. Para completar, um tapetinho de borracha no porta-objetos inferior acomoda melhor o celular.


A única mudança no quadro de instrumentos é a inclusão de aros luminosos em todos os instrumentos na versão EXL (só o velocímetro trazia este adorno). À esquerda, conta-giros, posição do câmbio e a luz azul que indica que o motor ainda está frio. 


À direita, o computador de bordo, com informações alternáveis por uma haste dentro da cúpula dos instrumentos. Há indicador de consumo instantâneo, relógio, temperatura externa, autonomia, consumo médio, quilometragem total e as distâncias percorridas A e B.


Rendendo-se ao gosto do brasileiro, o HR-V EXL dispõe de acendimento automático dos faróis. Já os limpadores trazem função intermitente e variável.

A chave, do tipo canivete, traz botões de travamento e destravamento das portas, além da abertura do porta-malas.


Com raios centrais em preto-brilhante, o volante do HR-V traz comandos de som no raio esquerdo, acionamento do controlador automático de velocidade no raio direito e os botões para operação do telefone e comandos de voz no canto inferior direito. A coluna de direção ajusta em altura e profundidade.


Os retrovisores trazem rebatimento elétrico por botão ou associados ao travamento das portas. O espelho direito rebate ao engatar a ré, facilitando a visualização da roda traseira e evitando choques contra a calçada. Outra funcionalidade pensada para os brasileiros é o acionamento por um toque dos vidros elétricos com recurso anti-esmagamento.


Um botão pode desativar os controles de tração e estabilidade, existentes em todas as versões.


A central multimídia com tela touchscreen de 7 polegadas traz espelhamento de tela de smartphones através do Android Auto e Apple CarPlay, mantendo também o GPS nativo, útil quando o celular descarrega ou a rede do celular está fraca. O som traz 4 alto-falantes e 2 tweeters; há ainda duas entradas USB na parte inferior do console (uma para carregamento do celular por cabo), uma entrada auxiliar, Bluetooth e tomada 12 Volts para os passageiros traseiros.



O ar-condicionado digital é operado em uma tela sensível ao toque. De boa eficiência, ajusta de 1 em 1 grau Celsius e dispõe de modo automático e os comandos respondem rapidamente aos toques dos dedos. 


O freio de estacionamento é elétrico, mas a indicação visual de que foi desativado só aparece no quadro de instrumentos. Já o Brake Hold é uma função desejável em lugares de trânsito intenso: ao ser ativado, não é necessário manter o pé no freio.


O porta-malas possui 437 litros - 431 no nível do assoalho e 6 litros aproveitáveis na parte de baixo. O volume é obtido às custas do estepe mais estreito, do tipo temporário e utilizado por cada vez mais montadoras. O encosto do banco traseiro, bipartido, é ligeiramente reclinável e, ao ser rebatido para a frente, leva também o assento, formando um assoalho praticamente plano e mais adequado para o transporte de objetos longos. Os assentos também podem ser rebatidos para cima, facilitando levar objetos altos.


Sob o capô com manta acústica está o motor 1.8 i-VTEC FlexOne de 16 válvulas. Ele traz a peculiaridade de ser ligeiramente mais potente com gasolina do que com etanol (140 vs. 139 cavalos), muito embora, com o combustível proveniente da cana-de-açúcar, ele alcance esta força em rotações do motor ligeiramente menores (6300 vs. 6500 rpm). Com o torque é o oposto: menor e alcançado em menos rotações com gasolina (17,3 kgfm a 4800 rpm) do que com etanol (17,4 kgfm a 5000 rpm).



O câmbio é o automático continuamente variável CVT, que traz aletas junto ao volante para trocas de marcha sequenciais - a marcha selecionada aparece no visor junto ao conta-giros. No nosso test-drive, ele teve a peculiaridade de não manter uma marcha inadequada para o momento (exemplo: 2ª marcha a mais de 40 km/h), avançando para as marchas seguintes logo em seguida.


A volta nos arredores da concessionária mostrou que a posição de dirigir é elevada e adequada para o porte do modelo, transmitindo também uma boa visibilidade. Mas um quesito em que realmente causou boa impressão é o de suspensão. Quem já rodou em carros mais antigos da Honda sabe que é preciso se precaver para as batidas secas causadas pelas irregularidades do solo nosso de cada dia. Mas o HR-V, além de ser mais suave (ainda que não seja o número 1 da categoria neste quesito), teve na linha 2019 a adoção de novos amortecedores com stop hidráulico (suavizando o funcionamento do componente quando o fim de curso da suspensão é alcançado), influenciando também na rolagem da carroceria de forma mais progressiva em curvas, segundo a Honda.


Outra boa impressão foi o silêncio da carroceria: o modelo EXL recebeu isolantes acústicos em pontos como portas e assoalho. O câmbio CVT recebeu nova calibragem, que torna mais progressiva a aceleração durante o "anda e para" comum nas cidades, fazendo com que a rotação do motor não suba em excesso.


O HR-V EXL parte de R$ 108 500. Em termos de segurança, o modelo conta com 6 airbags (frontais, laterais dianteiros e de cortina), além de freios a disco nas 4 rodas com ABS e EBD, fixação ISOFIX de cadeirinhas infantis, acendimento do pisca-alerta por 3 vezes em frenagens bruscas, cintos de 3 pontos e apoios de cabeça para todos os ocupantes, alarme perimétrico e alerta sonoro de não-colocação dos cintos dianteiros.


Comentários

  1. As novas rodas e a cor azul ficaram legais. Agora essa grade frontal cromada ao extremo e a saída de ar no lado do passageiro estilo landau são de péssimo mal-gosto!!!

    ResponderExcluir
  2. Que motor fraco!
    Imagino que ande tão bem quanto um Renegade com motor 1.8!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Na seção de comentários do Auto REALIDADE você está livre para escrever o que você achou da matéria.

Caso você queira fazer perguntas maiores, incluir fotos ou tirar dúvidas, envie e-mail para blogautorealidade@hotmail.com

Sua opinião é muito importante para o Auto REALIDADE! Estamos a disposição no Facebook (http://www.facebook.com/AutoREALIDADE), no Instagram (http://www.instagram.com/autorealidade e no Twitter (@AutoREALIDADE).