Renault Captur 1.3 Turbo Iconic 2022: nossas impressões ao dirigir


Texto e Fotos | Júlio Max, de Teresina - PI
Colaborou nesta matéria | Juliana Raquel


Não é de hoje que as montadoras de automóveis sabem que o nível de exigência da clientela do segmento de SUVs está cada vez mais se elevando. Hoje, beleza e altura em relação ao solo não são os únicos fatores para o consumidor levar um utilitário para a garagem: é preciso ter bom desempenho, espaço interno satisfatório e acabamento de boa qualidade. E a Renault atendeu aos anseios dos clientes para desenvolver o face-lift do Captur 2022, que incorpora novidades visuais, mais equipamentos e o novo motor 1.3 Turbo Flex, com melhores índices de performance e consumo de combustível. O modelo chega ao mercado em três versões: Zen, Intense e Iconic.

Externamente, os retoques foram pontuais na carroceria que conhecemos desde fevereiro de 2017, quando o Captur passou a ser fabricado no Brasil - mais especificamente em São José do Pinhais (PR). As modificações desta reestilização são exclusivas para o mercado nacional, e as principais modificações estão concentradas na parte frontal.

   

Os faróis tiveram redesenho interno, incorporando agora luzes de LED na versão topo-de-linha Iconic. Eles incorporam a assinatura "LED Pure Vision" nas laterais das máscaras e entregam 75% de melhoria na eficiência da iluminação, segundo a marca. A grade foi redesenhada, ficando ligeiramente mais larga, e tem detalhes cromados nos frisos superiores e na moldura inferior.


O para-choque do Captur 2022 é exclusivo e conta com uma moldura preta que envolve as luzes diurnas de LED, agora acompanhadas de faróis de neblina (também de LED e com função Cornering Light, que acendem em baixa velocidade ao dar seta ou ao girar o volante). Para completar, a moldura prateada na parte inferior do para-choque, com entrada de ar, também é um item que só o Captur nacional possui.


A versão topo-de-linha Iconic do Captur traz rodas de 17 polegadas diamantadas com detalhes em preto - exatamente as mesmas do Duster Iconic. As versões Zen e Intense conservam as rodas de liga leve de 17 polegadas que já existiam anteriormente. Todas as versões possuem os pneus Michelin Privacy 4 215/60. Na traseira, o logotipo TCe passa a estar presente no lado direito da tampa traseira, e a régua acima da placa agora vem na cor da carroceria em todas as versões.


Com o novo para-choque dianteiros, o Captur ficou 5 centímetros mais longo, passando a ter 4,38 metros de comprimento. Todas as demais dimensões foram mantidas: o SUV mantém seus 2,67 metros de distância entre-eixos, 1,62 metro de altura, 1,81 metro de largura sem retrovisores e 2,00 metros de largura com os retrovisores.


O acabamento interno está mais refinado, a começar pelas tonalidades, combinando forro de teto preto com detalhes em marrom Castanyera nesta versão completa, além de áreas em black-piano e com detalhes em prata anodizado. O painel agora conta com a superfície superior macia ao toque. Já o couro está presente nos bancos, na alça do lado direito no console central e nos forros de porta, sendo que as portas dianteiras possuem maior área de revestimento em comparação com as portas traseiras. Na versão Iconic, os revestimentos das portas da frente são inteiros em couro, enquanto na versão Intense mesclam áreas em couro e tecido, e na versão Zen, são totalmente de tecido.


O volante, revestido de couro e com novo desenho, agora também ajusta em profundidade, mantendo a regulagem em altura. Essa característica facilita o trabalho de encontrar a melhor posição de dirigir, em somatória com o ajuste de altura do banco do motorista. Ah, e o volante não "despenca" quando a trava do ajuste é solta, como ocorria no modelo anterior. Pelos botões do raio esquerdo é possível ajustar o controlador e limitador de velocidade de cruzeiro, enquanto os botões do lado direito alternam as informações do computador de bordo e acionam o comando de voz. Há ainda os comandos-satélites de som fixados à direita da coluna de direção. Através deles é possível alterar volume, faixa/estação, fonte de som e atender ou recusar chamadas telefônicas. Na haste de luzes há a posição para acendimento automático dos faróis, e um leve toque aciona as setas 3 vezes, enquanto na haste dos limpadores dianteiros e traseiro há o ajuste intermitente variável e posição para atuação do sensor de chuva.


O quadro de instrumentos manteve o layout do Captur anterior, trazendo conta-giros e marcador do nível de combustível analógicos e contrapostos. Ao centro fica a tela do velocímetro digital com indicação da posição de marcha engatada. Na tela logo acima é exibido o computador de bordo, com consumo de combustível em litros, consumo médio (em km/l), consumo instantâneo, autonomia estimada, distância percorrida, velocidade média, temperatura do líquido de arrefecimento do motor, pressão de pneu (para reiniciar), mensagens e quilometragem total e parcial, entre outros avisos.


Presente em todas as versões, a central multimídia Easy Link passa a ter tela ampliada de 7 para 8 polegadas e conta com interface mais refinada, assim como no novo Duster. Este sistema possui espelhamento de smartphones através do Apple CarPlay e Android Auto, e incorpora o sistema Multiview, com visualização de quatro câmeras ao redor do veículo, além de Bluetooth, indicador de temperatura externa e relógio. É possível criar até cinco perfis no sistema multimídia, sendo possível escolher um nome e uma foto de capa, definir um layout personalizado da tela, salvar preferências de configuração de som e até nove estações de rádio, habilitar ou desabilitar o destravamento de portas através da presença da chave, personalizar uma sequência de boas-vindas, incluindo avisos sonoros para o momento de abertura de portas e entrada no veículo, além de personalizar o som de toque. Agora é possível parear até seis celulares simultaneamente via Bluetooth, sendo possível realizar duas chamadas pelo sistema ao mesmo tempo. Também existe a opção de acessar o sistema como convidado.


Na versão Iconic, o sistema de som Bose é opcional. Ele possui seis alto-falantes, subwoofer no porta-malas e amplificador digital. Pela tela do sistema multimídia é possível controlar graves, médios e agudos, além de ajustar o som automaticamente conforme a velocidade, regular a distribuição espacial do som e ativar o modo surround. A qualidade de som realmente é bastante interessante, com reprodução de áudio sem as distorções comuns em outros modelos deste segmento.


A central multimídia mantém o menu Driving Eco², com informações que ajudam o motorista a monitorar o gasto com combustível em seus trajetos, exibindo informações como a distância percorrida sem consumo de combustível, notas para aceleração e previsão (nas desacelerações e frenagens), além de registrar distância percorrida, consumo médio e velocidade média: ao zerar as informações do menu do sistema multimídia, também são resetadas as informações que aparecem na tela do computador de bordo. O modo Coaching exibe frases com dicas variadas para o motorista se atentar a hábitos que ajudam na economia de combustível.

Há outros três recursos que ajudam o motorista a poupar combustível. Quando o carro está ligado, uma luz fica acesa logo abaixo do velocímetro e varia os tons entre laranja, amarelo, lima e verde conforme o motorista esteja conduzindo de forma mais ou menos econômica. Há ainda o modo Eco (que limita o torque do motor e reduz a potência do ar-condicionado para poupar combustível), e o Start-Stop, que faz o desligamento automático do motor em paradas para economia de combustível. É possível notar que, logo após pisar no freio para imobilizar o veículo, que o motor é desligado. A repartida é feita de forma suave e rápida.


Do lado esquerdo do painel há botões para ajustar a altura do facho dos faróis, regular a intensidade do brilho dos instrumentos e ativar ou desativar o monitoramento de veículos em pontos cegos. A partir da versão Intense, o Captur também passa a trazer acendimento automático dos faróis e sensor de chuva.


A porta do motorista traz comandos de ajustes elétricos dos retrovisores (inclusive com botão para rebatimento dos espelhos externos em todas as versões), além dos comandos dos vidros elétricos (todos com função um-toque na abertura e fechamento) e do bloqueio das janelas, sendo que, para não confundir o motorista, é exibida na tela do computador de bordo que os vidros traseiros foram bloqueados ou desbloqueados. 


O ar-condicionado automático manteve o layout do modelo anterior. Ele está disponível a partir da versão Intense (na versão Zen, o aparelho é mais simples, dispensando a função de regulagem automática e o visor com a temperatura exata). A operação do aparelho permanece a mesma - os ajustes são fáceis, mas é um pouco estranho desligar o ar-condicionado ao se girar o ajuste de ventilação para a esquerda, abaixo do nível mínimo do vento. A refrigeração funciona muito bem, mas o Captur Iconic merecia um aparelho mais sofisticado, como o presente no Duster Iconic, que possui visores digitais incorporados aos comandos giratórios. 


No início do console central, o botão de partida do motor se sobressai, contrastando com a faixa metalizada. Logo abaixo, botões ativam ou desativam o modo Eco, o controle eletrônico de estabilidade, o Start-Stop, os bipes do sensor de estacionamento traseiro e as câmeras Multiview.


Mais abaixo há um porta-objetos com tomada de 12 Volts e fundo emborrachado (a partir da versão Intense; no Zen, o plástico é rígido), que se revela um ótimo local para guardar o celular.


A chave-cartão foi atualizada e agora é bastante semelhante à de modelos como Zoe e Duster. São quatro botões na chave do Captur, para travar e destravar as portas, fazer o destravamento da tampa do porta-malas e, agora, fazer a partida remota do motor (para isso é primeiro necessário travar o carro para, a partir daí, poder ligar o motor com maior segurança). Além disso, o SUV traz a interessante funcionalidade de travar automaticamente as portas quando a pessoa se afasta com a chave.


O novo apoio de braço dianteiro revestido de couro, disponível em todas as versões, foi totalmente repensado. Antes, ele ficava fixado no banco do motorista e era mais estreito. Agora está incorporado ao console central, pode correr para a frente e conta com um porta-objetos de bom volume, com fundo de carpete. Porém, não adianta procurar por uma maçaneta para abrir e fechar o porta-objetos. É preciso forçar o apoio de braço para cima para que ele abra, e empurrá-lo para baixo para que feche.


O console, por sua vez, foi redesenhado. Logo atrás da alavanca de câmbio, há um pequeno porta-objetos quadrado (que infelizmente é estreito demais para encaixar a chave-cartão), e, mais atrás, dois porta-copos, com fundo emborrachado a partir da versão Intense. A alavanca de freio de mão foi reposicionada para a direita e traz coifa em couro e gatilho em prata anodizado. Existe também uma moldura do lado direito do console na cor marrom, com costuras.


Os para-sóis contam com tampas para os espelhos e, a partir da versão Intense, iluminação. Há luzes de teto na parte frontal central (com focos para motorista e passageiro dianteiro) e na parte central direcionada para os ocupantes traseiros. Os passageiros dispõem de três alças de teto. Logo acima do retrovisor interno, uma luz indica sobre o não-uso do cinto de segurança, disparando um alarme sonoro com o veículo em movimento.

O porta-luvas conta com iluminação em todas as versões, leitor de OBD2 e um nicho na face interna da tampa que permite carregar objetos menores sem que eles rolem ao sabor das curvas.


Quem senta atrás dispõe de bom espaço para cabeça e joelhos, e, agora, conta com duas entradas USB para carregamento de dispositivos eletrônicos a partir da versão Intense. Também há dois porta-revistas e ancoragens para fixação de cadeirinhas infantis. O banco traseiro possui encostos de cabeça ajustáveis em altura e é bipartido. Todos os ocupantes possuem cintos de três pontos, sendo que o ocupante central conta com cinto que "brota" do forro de teto. Inclusive, é recomendável afivelá-lo mesmo que não esteja em uso, pois ele é uma fonte de barulhos em pisos irregulares.


O porta-malas manteve a capacidade de 437 litros, uma das maiores do segmento. O compartimento tem piso elevado e laterais planas, o que ajuda bastante a aproveitar melhor o espaço. Há ainda um foco de iluminação no lado esquerdo e dois recuos na tampa traseira, facilitando o fechamento para pessoas canhotas e destras. 


Já o estepe permanece do lado de baixo da carroceria, sustentado por uma bandeja, e, para baixá-lo, retira-se uma peça de plástico do acabamento da borda do porta-malas para girar o parafuso com a chave de roda, o que faz com que o "berço" da roda sobressalente seja rebaixado. O estepe tem roda de ferro de 16 polegadas e tamanho menor do que os demais pneus (145/90), o que limita a condução segura a até 80 km/h.


Em termos de segurança, o Captur 2022 possui importantes acréscimos, como o monitoramento de veículos em pontos cegos, que alerta sobre a presença de um automóvel trafegando na região lateral traseira do motorista do Captur, além do monitoramento de pressão dos pneus, que acende uma luz-espia no quadro de instrumentos para indicar que algum dos pneus necessita de calibração. Além  da câmera de ré, o Captur Iconic passa a ter o sistema Multiview, composto por quatro câmeras distribuídas pela carroceria (uma na parte frontal, outras duas abaixo dos retrovisores externos e ainda a câmera da tampa do porta-malas), para ajudar o condutor a visualizar o entorno do veículo.


O motor 1.3 Turbo Flex TCe (sigla em inglês para Turbo Control Efficiency) era o propulsor que faltava para dar maior vivacidade ao Captur. Com 1332 cm², quatro cilindros, 16 válvulas, cabeçote em alumínio em formato de delta, turbocompressor com pressão máxima de 1,4 bar, duplo eixo do comando de válvulas no cabeçote tem temporização variável das válvulas de admissão e escape, acionamento por corrente, bronzinas polímero-metálicas, sonda lamba proporcional e outras inovações, o propulsor gera 162 cavalos com gasolina e 170 cv com etanol, entre 5500 e 6000 rpm, e torque de 27,5 kgfm na faixa entre 1600 e 3750 rpm. Outra inovação muito bem-vinda do novo motor é a aposentadoria do reservatório de gasolina para partida a frio quando o veículo está abastecido com etanol. 


Este motor foi desenvolvido em parceria com a Daimler, que adota este propulsor 1.3 em versões dos Mercedes-Benz Classe A, CLA, GLA e GLB vendidos no Brasil. Cada marca, no entanto, fez ajustes exclusivos em seus propulsores. O motor do Captur aceita gasolina e etanol (enquanto os modelos da Mercedes são movidos unicamente a gasolina), e tem taxa de compressão um pouco menor que a família Mercedes (10,5:1 x 10,6:1). Com gasolina, os modelos da marca alemã possuem potência ligeiramente maior (163 x 162 cv), mas perdem em torque para o SUV da Renault (25,5 x 27,5 kgfm). Além disso, as transmissões dos modelos são completamente diferentes. A linhagem da Mercedes adota o câmbio automatizado de dupla embreagem 7G-DCT, de sete marchas, enquanto o Captur conta com o novo câmbio automático CVT de 8 marchas. 


Em relação ao CVT que equipou anteriormente o Captur 1.6, de seis marchas, a transmissão da linha 2022 é toda nova. A nova transmissão está muito mais esperta, entendendo bem as relações de marcha que devem ser mantidas nas condições de aceleração mais forte ou sob condução mais tranquila. As trocas se destacam pela suavidade em situações de uso mais sereno. É possível, ainda, trocar as marchas sequencialmente, com toques para trás para subir marchas e deslocamento da alavanca para a frente para reduzir marchas. No modo sequencial, o visor do velocímetro passa a exibir a marcha engatada, e também surge a luz indicadora de troca de marcha (para cima ou para baixo), sugerindo as mudanças a serem feitas pelo motorista.

A partir da versão Intense, a moldura que envolve a coifa da alavanca de câmbio recebe a cor prata anodizado. O visual é bonito, mas as posições de câmbio não são iluminadas, o que faz com que o motorista precise se atentar mais ao indicador de marcha engatada no quadro de instrumentos.


O Captur Iconic está disponível nas seguintes combinações de cores: Bronze Sable com teto Preto Nacré, Azul Iron com teto Preto Nacré, Vermelho Fogo com teto Preto Nacré (a combinação do "nosso" carro), Branco Glacier com teto Preto Nacré, Prata Étoile com teto Preto Nacré e Cinza Cassiopée com teto Prata Étoile, além de duas tonalidades sem cor contrastante do teto, aerofólio e capas dos retrovisores (Branco Glacier e Prata Étoile).

Impressões ao dirigir


Mesmo considerando o universo dos "altinhos", o Captur se sobressai e é um dos SUVs com maior altura de solo do segmento: são 21,2 centímetros de vão-livre, altura suficiente para transpor lombadas e irregularidades do piso com mais tranquilidade. Reforçando a impressão de estar mais alto diante de outros carros, o banco do motorista permite uma posição de dirigir bastante alta, característica que também auxilia na visibilidade. Os retrovisores externos contam com maior campo de visão em suas extremidades e, pelo espelho interno, a visibilidade também é boa. Para complementar este conjunto, o sensor de ré e as câmeras Multiview auxiliam a ter mais tranquilidade nas manobras.


Quando chegou ao Brasil, o Captur trazia direção com assistência eletro-hidráulica. O conforto transmitido por ela ficava a meio-caminho entre uma direção hidráulica (um pouco mais pesada) e uma elétrica (mais leve). Nesta reestilização, a assistência passa a ser totalmente elétrica, o que, além de dispensar o reservatório de fluido hidráulico, também permite um menor número de voltas de batente a batente com o volante (foi reduzido de 3,3 para 3,0 voltas); além disso, o esforço nas manobras diminuiu 35% em relação à versão anterior.


Em velocidade de cruzeiro, o ponteiro do conta-giros marca pouco menos de 1500 rpm. Assim, basta pisar um pouco mais no acelerador para que o SUV da Renault entre na faixa de torque máximo (1600 rpm), o que faz com que ele tenha boa disposição nas acelerações e retomadas. Veja os resultados das nossas acelerações e retomadas (os testes do Auto REALIDADE são realizados em ambiente seguro, com ar desligado, uma pessoa a bordo, tanque abastecido com gasolina, controles eletrônicos ativados e câmbio na posição Drive, com cronometragem automática via app GPS Acceleration):

Aceleração de 0 a 100 km/h: 8,9 segundos
Retomada de 40 a 80 km/h: 5,0 segundos
Retomada de 60 a 100 km/h: 5,7 segundos

Em termos de consumo de combustível, é necessário ponderar que passamos apenas um turno de um dia com o veículo, o que não permitiu um uso mais cotidiano com o Captur. Foi preciso, por exemplo, ficar com o carro ligado para a sessão de fotos, fora o gasto maior de combustível para cronometrar as acelerações e retomadas. A média nesta volta foi de 9,1 km/l, com gasolina e uso constante do ar-condicionado, mas com certeza o modelo tem potencial de fazer mais de 10 km/l na utilização convencional. Segundo o Inmetro, o consumo urbano com gasolina é de 11,1 km/l.


É inegável que o Captur 1.3 Turbo Flex ficou muito mais emocionante e interessante de dirigir do que as antigas versões 1.6 e 2.0, e agora possui um posicionamento de mercado bem mais sedimentado em relação ao Duster. Agora, além do motor e dos equipamentos, o conjunto mecânico mais refinado e o melhor acabamento são bons diferenciais do Captur 2022 em relação ao seu irmão mais velho. Aliás, neste segmento, o nível de exigência por equipamentos deve fazer com que as versões Intense e Iconic sejam mais buscadas. Resta saber como será a aceitação do público ao novo Renault, afinal, ele agora se posiciona em uma faixa mais elevada de preços. O modelo Iconic avaliado, por exemplo, custa R$ 138.490, mais R$ 3.200 pela combinação de cor vermelha + preta. 


Para se ter uma noção dos valores dos principais rivais topo-de-linha turbinados do Captur, o Volkswagen T-Cross 250 TSI Highline (com 150 cavalos e 25,5 kgfm) tem preço de R$ 138.950, enquanto o Chevrolet Tracker 1.2 Premier (com 133 cavalos e 21,4 kgfm) parte de R$ 131.430, o Citroën C4 Cactus Shine 1.6 THP (de 173 cavalos e 24,5 kgfm) começa em R$ 127.990 e o Honda HR-V Touring 1.5 (com 173 cavalos e 22,4 kgfm) é tabelado em R$ 157.100.

Vem conferir a Galeria de Fotos do Renault Captur Iconic 1.3 Turbo Flex 2022!






Comentários