Dia-a-dia com o Jeep Renegade - Boas-vindas


A equipe do Auto REALIDADE foi convidada a realizar uma avaliação prolongada do Jeep Renegade - no Piauí, o utilitário é nada menos que o terceiro automóvel mais emplacado em junho, e na capital Teresina, só não vende mais do que o Fiat Palio. "Nosso" Renegade é o modelo Sport Flex Manual, mas antes que se pense que se trata da versão de entrada (que custa R$ 69 990), a unidade aqui exposta conta diversos opcionais: 7 airbags (frontais, laterais, de cortina e para os joelhos do motorista), central multimídia Uconnect, monitoramento da pressão dos pneus, teto solar panorâmico elétrico e rebatimento automático dos retrovisores, elevando seu preço para R$ 85 950 (para efeito de comparação, o Longitude parte de R$ 80 900).

Externamente, o Renegade traz um jeitão bruto, com seus pneus de perfil alto e detalhes em plástico preto - mas sem deixar de lado a identidade Jeep, com os faróis redondos e a grade com sete aberturas e contornos cromados. As portas da frente trazem o logotipo com seu nome, e as rodas aro 16'', com a parte central acinzentada, contam com pneus Pirelli 215/65. As versões Longitude e Trailhawk são mais estilosas, mas o Sport também chama atenção, especialmente na cor Vermelho Colorado.


Assim que recebemos o Jeep, realizamos um trajeto misto em estradas (PI - 113) e na capital do Estado. Apesar de ser pesado (1393 quilos), o Renegade possui boa desenvoltura, com aceleração satisfatória (ainda que naturalmente incline mais nas curvas, com os excessos contidos pelo controle eletrônico de estabilidade), retomadas ágeis e ainda consumo de combustível interessante durante o rápido trajeto na rodovia: 14,0 km/l com gasolina, de acordo com o computador de bordo. (A média do Inmetro nestas condições é de 10,7 km/l). O.K., fomos ultrapassados por um Punto Sporting (que utiliza basicamente o mesmo motor E.TorQ), mas o Fiat conta com uma carroceria mais aerodinâmica e leve. Um adendo: exclusivamente na cidade e com ar ligado, o Renegade chegou à marca de apenas 7,4 km/l.



Temperatura externa normal de uma tarde teresinense...

Internamente, há espaço suficiente para quatro adultos e uma criança se acomodarem bem, todos com cintos de três pontos e apoios de cabeça. Há uma boa amplitude para cabeça (mesmo com o teto panorâmico) e pernas; os bancos dianteiros apoiam bem o corpo mesmo nas curvas aceleradas. O acabamento da versão Sport mescla plástico com tecido (nos bancos e em boa parte dos painéis de porta). O ambiente fica mais interessante com o teto panorâmico, que se estende até a parte traseira.



Ao longo desta semana, o Auto REALIDADE irá publicar mais detalhes do Jeep Renegade durante sua estadia em nossa garagem, com mais fotos, vídeos e testes com o novato - continue ligado para conferir muito mais detalhes!


Comentários

  1. Ótimo post! Muito esclarecedor, ainda mais minha principal duvida sendo sobre a performance. Estava meio receoso com esse etorq, mas a matéria foi ótima para quitar essa dúvida! Eu até imaginei que esse conjunto fosse suficiente pra movimentar o carro, agora confirmado! Outro ponto é que essa versão de entrada é a que eu achei mais interessante, acho que é um preço justo visto o que tem! No aguardo de mais informações!
    Minha humilde opinião.
    Abraço!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Na seção de comentários do Auto REALIDADE você está livre para escrever o que você achou da matéria.

Caso você queira fazer perguntas maiores, incluir fotos ou tirar dúvidas, envie e-mail para blogautorealidade@hotmail.com

Sua opinião é muito importante para o Auto REALIDADE! Estamos a disposição no Facebook (http://www.facebook.com/AutoREALIDADE), no Instagram (http://www.instagram.com/autorealidade e no Twitter (@AutoREALIDADE).