Dirigimos o Ford Bronco Sport 2.0 Wildtrak na terra e no asfalto!

Texto e fotos | Júlio Max, de Teresina - PI
Agradecimentos | Antares Ford
Matéria feita em parceria com @showcarsthe

O ano de 2021 está representando um período divisor de águas para a Ford do Brasil. A marca, que anunciou em janeiro o fechamento de todas as suas fábricas em nosso País, agora investe em uma gama de modelos de maior valor agregado. E o Bronco Sport é o primeiro produto totalmente novo da marca a ser oferecido em terras tupiniquins após este novo posicionamento de mercado. Sua pegada é bastante distinta da do Territory, que assume uma vertente mais urbana e tecnológica, enquanto o Bronco Sport dispõe de tração nas quatro rodas e diversos itens pensados para quem gosta mais de viajar por terrenos sem asfalto e faz questão de estar em contato com a natureza.

O Bronco Sport chega ao Brasil poucos meses depois de sua estreia na América do Norte. E a Ford optou por desenvolver uma versão exclusiva para ser vendida em nosso mercado, a 2.0 Wildtrak. Ela tem o motor mais forte e a gama de equipamentos mais completa disponível para este SUV, inclusive trazendo itens de série que são opcionais no Bronco Sport 2.0 Badlands vendido nos Estados Unidos.

"Bronco" é um nome muito forte nos EUA, e se refere a um cavalo selvagem ou não treinado que se comporta de maneira imprevisível, geralmente dando coices ou empinando. Isso explica o emblema que foi aplicado ao volante, centros de roda e outros detalhes do SUV. O nome Bronco batizou um utilitário derivado da F-150 fabricado entre 1965 e 1996. Atualmente, são três os modelos da linhagem Bronco: o modelo duas-portas (rival do Jeep Wrangler de duas portas), o modelo quatro-portas (que briga com o Jeep Wrangler Unlimited) e o Bronco Sport que chega agora ao Brasil, que também possui elevadas capacidades no uso fora-de-estrada, mas tem dimensões mais próximas às do Jeep Compass Trailhawk. São 4,39 metros de comprimento, 1,89 metro de largura (sem retrovisores), 1,81 metro de altura e 2,67 metros de distância entre-eixos.

Sem dúvidas, o estilo do Bronco Sport é um dos que mais impõe respeito neste segmento de SUVs médios. Suas formas são predominantemente quadradas e robustas, e o nome Bronco é estampado em grandes dimensões na grade frontal e na tampa traseira. A grade, aliás, possui uma câmera frontal de 180 graus com lavador, que fornece imagens do solo à frente do veículo, o que ajuda a evitar buracos, animais e desníveis. Ela é ligada automaticamente nos modos de direção Areia, Lama e Rocha, em velocidades até 25 km/h. Os faróis Full LED com comutação automática da luz alta possuem aros redondos que lembram o estilo dos faróis do Bronco de 1965. O logotipo oval da Ford quase não é visto neste carro, aparecendo em poucos detalhes, como no canto inferior esquerdo da tampa do porta-malas, no carimbo dos vidros e na cobertura do motor. 

São nove cores para a carroceria, sempre com teto e colunas externas na tonalidade preta. As rodas de 17 polegadas são pintadas na cor grafite e calçadas com pneus 225/65 Pirelli Scorpion ATR de uso misto. Assim como no Land Rover Discovery, o teto é mais elevado na parte traseira da carroceria.

Na parte traseira, um recurso interessante é a possibilidade de se abrir o vidro traseiro de forma independente da tampa do porta-malas, o que exige bem menos esforço para acomodar objetos menores no compartimento. Na maçaneta traseira, o botão esquerdo abre apenas o vidro, enquanto o botão na parte direita destrava a tampa por inteiro. Embutida nessa maçaneta também está a câmera de ré, também com ângulo de 180 graus.

Com abertura manual de sua tampa e capacidade de 482 litros (até a altura do encosto do banco traseiro), o porta-malas em si também tem atributos bastante interessantes, como um abridor de garrafas, tomadas de energia no canto direito (de 12 Volts e 110 Volts), dois focos ajustáveis de iluminação embutidos na tampa do porta-malas e a divisória dobrável que pode ficar na horizontal ou na vertical e se converter em uma mesinha para piqueniques ao ar livre, com suporte para até 13 quilos. Outro destaque é o revestimento emborrachado e fácil de ser limpo. E o estepe também tem pneu 225/65, diferindo dos outros quatro pneus no chão apenas pela roda ser de aço.

O interior do Bronco Sport aposta em um bom acabamento e uma combinação de cores que remete ao uso fora-de-estrada, com detalhes em preto e marrom nos bancos, forros de porta e painel. A cabine conta com materiais macios ao toque no painel e parte superior das portas dianteiras, além de revestimentos em couro e camurça nos bancos. O forro de teto é moldado em tecido, há fundo acarpetado no porta-objeto debaixo do apoio de braço dianteiro e no porta-óculos, além de assoalho emborrachado na cabine, facilitando a limpeza. 

O volante concentra os comandos de controlador de velocidade e distância do veículo à frente com função Stop and Go (para totalmente caso o veículo da frente freie completamente, e retoma a velocidade quando a pista estiver livre), além do assistente de permanência na faixa de rodagem (com correção da trajetória) e dos comandos de som, voz e computador de bordo. Os comandos, no entanto, carecem de intuitividade. Olhe para a foto acima: os botões acima e abaixo da tecla OK parecem funcionais, mas não são apertáveis. Cabe a você deslizar esta tecla OK para cima e para baixo para alternar as informações do computador de bordo. O mesmo se aplica à operação do piloto automático adaptativo, muito confusa, e do recurso de manutenção na faixa de rodagem, que é atrelado ao controle de velocidade e distância do veículo à frente.

O quadro de instrumentos possui conta-giros e velocímetro analógicos e acompanhados de uma tela central colorida de 6,5 polegadas que exibe as informações do computador de bordo, entre elas, velocímetro digital, menu off-road com os inclinômetros da carroceria, distribuição do torque entre os eixos, pressão individual dos pneus, reconhecimento de placas de velocidade, informações de distância percorrida, indicador de consumo instantâneo de combustível e informações de som. O consumo de combustível, no entanto, é registrado em litros por 100 quilômetros, métrica completamente estranha aos consumidores brasileiros. Ao abrir a porta do motorista, esta tela exibe uma animação de boas-vindas, assim como o visor do sistema multimídia.

Falando nela, a central multimídia conta com tela touchscreen de 8 polegadas parcialmente saltada do painel (assim como nos agora falecidos Ka e EcoSport), que exibe, entre outras informações, o GPS nativo, as configurações dos assistentes do veículo e as imagens das duas câmeras do veículo. O sistema de som é assinado pela Bang & Olufsen e possui 10 alto-falantes, subwoofer e 1000 Watts de potência, com ótima qualidade. Além do espelhamento de tela de celular (Android Auto e Apple CarPlay), também há a conectividade através do FordPass, com as mesmas funcionalidades presentes em outros modelos da marca. Com o aplicativo instalado no celular, é possível fazer a partida do motor remotamente para ligar o ar-condicionado antes de adentrar a cabine, conferir a localização em tempo real do veículo, nível do combustível, hodômetro e quilometragem até a próxima revisão pela tela do smartphone, além de localizar estacionamentos e marcar as próximas revisões. 

A cabine traz quatro entradas USB, sendo duas do tipo A e duas do tipo C. Logo abaixo da tela do sistema multimídia, há um porta-objetos emborrachado. Mais abaixo, à frente da alavanca de câmbio, há outro porta-objetos que incorpora até um carregador de bateria por indução, acompanhada de uma tomada 12 Volts e duas entradas USB, uma do tipo A e outra do tipo C. Dentro do apoio de braço dianteiro, mais duas entradas USB, uma do tipo A e outra do tipo C, exclusivas para carregamento.

A lista de equipamentos de série do Bronco Sport Wildtrak inclui chave presencial com partida do motor por botão, MyKey (chave programável, que pode limitar a velocidade máxima e o volume de som), retrovisor interno anti-ofuscante, Start-Stop (desligamento e religamento do motor em paradas), faróis com acendimento automático, banco do motorista com ajustes elétricos (inclusive lombar), banco do passageiro dianteiro com ajuste manual de altura, aquecimento dos assentos dianteiros em três níveis, ar-condicionado digital automático de duas zonas com regulagem de meio e meio grau Celsius e saídas traseiras, retrovisores com rebatimento elétrico e luzes de seta, direção elétrica, volante com ajuste manual de altura e profundidade, vidros elétricos com abertura e fechamento por um toque, teto solar elétrico (inclusive persiana), para-sois com espelho e iluminação amarela, sensor de chuva e sensor de estacionamento traseiro, entre outros. 

O câmbio automático de oito marchas é operado por um seletor giratório no console, assim como nos Ford Fusion mais recentes e em alguns modelos da Land Rover. Ele dispõe do modo manual (acionado pelo botão M), passando o controle das trocas de marcha para o motorista, através das aletas junto ao volante. Já o freio de estacionamento, elétrico, é acionado ao toque de um botão. Ele vem acompanhado do Auto Hold, que dispensa a necessidade de manter o pé no freio em paradas mesmo se o veículo estiver com o câmbio na posição Drive. Quando ativo, exige pouquíssimo esforço no acelerador para o carro voltar a andar.

Com tração nas quatro rodas sob demanda acoplada através de dupla embreagem, o Bronco Sport traz o seletor de terrenos "G.O.A.T Modes", sigla para Goes Over Any type of Terrain ("vai sobre qualquer tipo de terreno"), e que, quando abreviada, faz um trocadilho com a palavra goat (que significa bode/cabra), animal que também anda sobre qualquer lugar. São sete modos – Normal, Eco, Esportivo, Escorregadio, Areia, Lama e Rock Crawl (escalada de rochas). Cada modo varia a distribuição de torque para as rodas, o gerenciamento do bloqueio de diferencial e os tempos de resposta da transmissão e do pedal do acelerador. Confira agora o propósito de cada modo: 

  • Normal – indicado para o uso cotidiano do veículo.
  • Eco – com foco na economia de combustível, faz trocas de marcha em rotações mais baixas, limita a tração às rodas dianteiras e torna o pedal do acelerador menos responsivo.
  • Esportivo – otimizado para o desempenho no asfalto. Torna as respostas da direção e suspensão mais rígidas, aumenta a resposta do acelerador, e o câmbio mantém as marchas mais baixas por mais tempo.
  • Escorregadio – facilita o controle do veículo em superfícies molhadas ou escorregadias. O controle de tração fica mais responsivo para manter os pneus em contato com o piso.
  • Areia – exclusivo para fora de estrada, em superfícies soltas, profundas e sulcadas. O motor e a transmissão são ajustados para aumentar a tração e permitem o patinamento das rodas para que o veículo não fique atolado.
  • Rocha (Rock Crawl) – desenvolvido para superar superfícies irregulares, como grandes rochas, em velocidade muito baixa e controlada.
  • Lama/Terra – os controles de estabilidade e tração ficam menos restritivos, para permitir que os pneus girem mais e removam a lama dos sulcos.

O SUV também dispõe de protetor de cárter, ganchos dianteiros para reboque, preparação para reboque traseiro, bloqueio do diferencial traseiro, ângulo de entrada de 30,4 graus, ângulo de saída de 33,1º e ângulo de transposição de rampa de 24,4º. A altura em relação ao solo é de 22,3 centímetros. 

Um recurso interessante para uso fora-de-estrada é o piloto automático off-road, que mantém a velocidade em situações de subidas, descidas, erosões e terrenos escorregadios, comandando a aceleração e a frenagem em velocidade de até 32 km/h, ou abaixo de 10 km/h em marcha a ré. 

Quem senta atrás dispõe de duas saídas de ar traseiras, tomada de 110 Volts, apoio de braço embutido no banco traseiro com uma tira para facilitar sua abertura e luzes de leitura no forro de teto, além de curiosos porta-revistas com zíperes, que podem ser fechados. Caso seja necessário acomodar mais objetos, é possível levantar o assento traseiro do lado direito para encontrar um "alçapão", com a sugestão de se acomodar por lá um kit de primeiros-socorros ou calçados. O banco traseiro, aliás, fica em posição ligeiramente mais elevada que os assentos dianteiros.

Em termos de segurança, o Bronco Sport traz 9 airbags (dois frontais, dois laterais dianteiros, dois laterais traseiros, dois de cortina e um para os joelhos do motorista), reconhecimento de placas de velocidade, alerta de colisão frontal com assistente autônomo de frenagem e detecção de pedestres, controles de estabilidade e tração, assistente de partida em subidas, monitoramento de veículos em pontos cegos, fixações para cadeirinhas infantis, controle eletrônico anti-capotamento, alerta de fadiga do motorista, freios a disco nas quatro rodas e controlador de velocidade em descidas.

O motor do Bronco Sport é o 2.0 EcoBoost a gasolina, turbinado e com injeção direta de combustível, de 240 cavalos a 5000 rpm e 38 kgfm de torque a 3000 rpm. A relação peso/potência é de 7,16 kg por cavalo. Segundo a Ford, o SUV acelera de 0 a 100 km/h em 8 segundos e atinge a velocidade máxima de 180 km/h.

Curiosamente, o capô não possui gatilho a ser liberado, uma vez que é aberto quando a alavanca interna é puxada duas vezes. Ele conta com a manta acústica, mas ainda exige a vareta para ser sustentado.

O tanque de combustível tem a boa capacidade de 64 litros e, na moldura de seu bocal, um easter-egg com as silhuetas dos diferentes estilos de carroceria do Bronco original. Outros detalhes curiosos são a silhueta do velho Bronco carregando uma prancha de surfe (que fica no vidro traseiro), o cavalo do Bronco nos aros dos faróis, as coordenadas geográficas de Johnson Valley gravadas entre a tampa do porta-malas e a lanterna direita, além de uma cadeia de montanhas estilizada no plástico que dá acabamento à fechadura do vidro traseiro.

Impressões ao dirigir

O motorista nota, logo de cara, que o Bronco Sport tem uma posição de dirigir nitidamente elevada até mesmo comparado a outros SUVs médios. A visibilidade é boa para frente e laterais; atrás, as colunas largas e a trava do vidro traseiro acabam interferindo um pouco na visão, o que é contornado pelas luzes que acendem nos retrovisores caso veículos sejam detectados nos pontos cegos, pelas câmeras (frontal e traseira), pelo sensor de ré e pelos encostos de cabeça traseiros que podem ser rebatidos para baixo quando não estão em uso.

Mesmo com a suspensão afinada para o uso off-road e os pneus Pirelli Scorpion ATR, o Bronco Sport pode ser utilizado numa boa somente no asfalto: a carroceria transmite pouco as oscilações do piso e não passa a sensação de adernar demais nas curvas. Chama a atenção a amplitude de espaço para a cabeça de todos os ocupantes, com o teto elevado. A direção tem assistência excelente, fazendo com que o motorista detenha o controle do veículo até mesmo em curvas feitas em velocidades mais altas, recurso que, somado aos diversos assistentes eletrônicos, proporciona muita segurança ao rodar.

O motor 2.0 EcoBoost surpreende pelo nível consideravelmente reduzido de ruídos e vibrações, de modo que, a menos que se pise fundo no acelerador ou determinadas situações off-road, pouco se sente o funcionamento do propulsor. As acelerações proporcionam uma sensação curiosa: até mesmo no modo Esportivo, não há uma explosão de entrega de força quando o pé chega ao fundo do acelerador (posto que o torque máximo é atingido a 3000 rpm, enquanto outros modelos com turbo e injeção direta de combustível entregam toda a força a menos de 2000 rpm), mas basta mais algum tempo para o Bronco Sport ganhar velocidade com muita facilidade. Ao desligar o carro, um recurso muito útil: o seletor de posição do câmbio volta automaticamente para a posição P.

Fabricado em Hermosillo, no México, o Bronco Sport chega ao Brasil com garantia de 3 anos pelo preço de R$ 256.900. Este valor deixa o SUV da Ford entre o Jeep Compass Trailhawk 2.0 Turbodiesel com todos os opcionais (R$ 235.790) e o Land Rover Discovery Sport S P250 a gasolina sem adicionais (R$ 284.950), todos com tração nas quatro rodas sob demanda.

Vem conferir a Galeria de Fotos do Ford Bronco Sport 2.0 Wildtrak!










Comentários