Os carros que deixaram de ser vendidos no Brasil em 2021


No mercado automotivo, 2021 foi um ano de despedidas esperadas e de epílogos que pegaram de surpresa todo o setor. A seguir, relembramos um pouco das histórias dos automóveis que deram adeus ao Brasil ao longo do ano que passou:

CAOA Chery Arrizo 5: 2018 - 2021


O sedã da CAOA Chery começou a ser comercializado no Brasil em novembro de 2018. Fabricado em Jacareí (SP), o rival de Virtus e City contava com o motor 1.5 Turbo Flex de até 150 cavalos. Em 2020, o modelo passou a ter câmbio automático CVT com 9 marchas simuladas, novos nomes para suas versões e torque do motor aumentado para 21,4 kgfm. Este ano, o Arrizo 5 teve como única novidade a introdução da versão RXS. 


Ao longo de 2021, as vendas do sedã minguaram fortemente: em novembro, apenas 2 exemplares foram emplacados; em dezembro, seis. Com 438 unidades comercializadas ao longo do ano e mesmo sendo mais acessível, o Arrizo 5 não chegou perto do volume de vendas do Arrizo 6 no mesmo período (3406 exemplares). O fim de produção do modelo foi confirmado pelo atual presidente da CAOA Chery, Marcio Alfonso, ao site Motor1.

Chevrolet Montana: 2003 - 2021

Antes de mais nada, é preciso ponderar que o adeus da Montana no mercado brasileiro será temporário, já que a General Motors confirmou em junho deste ano que este será o nome de sua futura picape de cabine dupla. O nome Montana foi inicialmente utilizado para batizar a picape derivada do Corsa C, que foi lançada no Brasil em outubro de 2003. Inicialmente, ela tinha três versões: básica (posteriormente chamada de Conquest), Off-Road e Sport, todas com motor 1.8 FlexPower e câmbio manual de 5 marchas. Em 2007, a Montana passou a ter a opção do motor 1.4 Econo.Flex. A primeira geração da picape teve algumas séries especiais, como a Fluir (2005) e a Arena (2010).

No ano de 2010, estreou a Montana de segunda geração, baseada no Chevrolet Agile. Vendida em duas versões, LS e Sport, ela sempre trazia o motor 1.4 e câmbio manual de 5 marchas. A picape não acompanhou a reestilização que o hatch recebeu em 2013, mas, enquanto o Agile deixou de ser vendido no Brasil no final de 2014, a Montana resistiu em produção em São Caetano do Sul até este ano. Conforme o sindicato dos trabalhadores do ABC paulista, a picape deixou de ser fabricada no final de abril. Nos seus anos finais, a Montana era vendida na versão única LS.

Fiat Uno: 1984 - 2021


Lançado em 1983 na Europa, o Uno começou a ser produzido no Brasil no ano seguinte, já devidamente tropicalizado e com soluções exclusivas para nosso mercado, como o estepe alojado no cofre do motor e o conjunto de suspensão totalmente revisto. Em 1984, o hatch tinha um design tão diferente do habitual que logo ganhou o apelido "botinha ortopédica". Giorgetto Giugiaro assinava o projeto de linhas retas e com foco no aproveitamento de espaço interno.


Em 1987 chegou o Uno 1.5 R, com estilo esportivo e que fazia de 0 a 100 km/h em 12 segundos - desempenho notável para a época. Em 1990, ele ganhou a versão Mille, que inaugurou o segmento de carros populares com motor 1.0 no Brasil e fez com que as outras montadoras corressem atrás para criar rivais com motores 1-litro e lista de equipamentos simplificada para tornar o sonho do carro zero-quilômetro um pouco mais acessível. Em 1991, chegou o Uno Mille Brio, com carburador de corpo duplo e potência levemente aumentada para 51 cavalos. Em 1992, a Fiat lançou o Uno Mille Eletronic, com a mesma ignição eletrônica da versão 1.5 i.e. (porém sem injeção eletrônica de combustível) e opção de quatro portas, rodas de liga leve e outros itens. 


Em 1994, o Mille ELX fez sua fama ao disponibilizar quatro portas e ar-condicionado no segmento popular. No mesmo ano, a Fiat surpreendeu o mercado ao lançar o Uno Turbo, com motor 1.4 de 116 cavalos e diversas modificações estéticas e internas. Neste ano, o Eletronic tradicional finalmente abandonou a frente antiga. Em 1995, o Mille ELX foi extinto e surgiram as versões 1.0 i.e. e EP, passando finalmente a ter injeção eletrônica de combustível (monoponto) e motor 1.0 com rendimento de 58 cavalos, que conviveram ao lado do Eletronic, carburado.

Depois do lançamento do Palio em 1996, o Mille passou a ser vendido em uma única versão, SX, em 1997, que posteriormente ganhou a companhia da série Young. No ano de 1998, o Mille SX virou EX e foi simplificado, perdendo as calotas integrais das rodas e até a luz de ré do lado esquerdo. Para 2000, veio a versão Smart, com grade redesenhada, novas calotas, volante mais encorpado e instrumentos de fundo branco. Em 2001, o Mille Fire tirou de campo o antigo motor Fiasa. O então novo motor 1.0 era um pouco menos potente do que o anterior e tinha 55 cavalos, mas compensava com o torque 0,3 kgfm maior, com o acelerador eletrônico e com o propulsor aliviado em vinte quilos. Ele trazia o logo redondo que celebrou o centenário da marca e foi utilizado no Brasil entre 2000 e 2007. Volante, coluna de direção e retrovisores passavam a ser compartilhados com o Palio.

Uma polêmica reestilização foi aplicada no Mille em 2004. Os faróis passaram a ter superfície completa, mas a grade frontal com adornos cromados não combinava com o restante do estilo dianteiro. Para-choques, lanternas e calotas também receberam modificações, enquanto a tampa traseira passava a ser lisa. Pelo menos o Fiat passou a ter opção de direção hidráulica. No ano de 2005, o Mille passou por uma leve atualização. A grade com cromados deu lugar a outra, com barras pretas. Nos exemplares com para-choques pintados, a área em preto se tornava maior, e o motor 1.0 passava a ser Flex, ganhando força e passando a ter 65 cavalos com gasolina ou 66 cv com etanol.

2006 chegou e o Mille aderiu ao modismo dos aventureiros urbanos com o pacote Way, que incluía suspensão 4,4 centímetros mais alta e detalhes de estilo exclusivos. A aceitação foi tão boa que, dois anos depois, passou a ser uma versão de produção em série. Em 2008, mais uma leve reestilização foi aplicada ao Mille, que incorporou o sobrenome Economy. O principal destaque era o econômetro no quadro de instrumentos.

Em 2010 chegou a nova geração do Uno, com estilo "quadrado arredondado", motores 1.0 ou 1.4 e forte apelo de personalização. Ele conviveu pacificamente com o Mille, que continuou a ser produzido com poucas alterações até o final de 2013, quando todas as montadoras tiveram que equipar seus automóveis de passeio novos com airbags frontais e freios ABS, e adaptá-los no velho Mille seria complexo demais. O fim do modelo foi celebrado com a série Grazie Mille, limitada a 2 mil unidades, e o Uno Vivace passou a ocupar o posto de carro de entrada da Fiat. 

Em 2014, o Uno passou por uma reestilização e sua versão Evolution 1.4 estreou a tecnologia Start-Stop no segmento de modelos compactos nacionais. Com ele, o motor poderia ser desligado em paradas e religado dentro de até 3 minutos, com ar desligado, ou 1 minuto com o ar-condicionado ligado, visando economia de combustível e redução da emissão de poluentes. Em 2016, veio sua última reestilização, que alterou novamente seu design e introduziu os motores Firefly 1.0 e 1.3. Ironicamente, os novos e modernos motores não duraram até o fim da vida do Uno, pois desde o início deste ano ele passou a ser vendido unicamente na versão Attractive com o já antigo 1.0 Fire. A série Ciao, criada para marcar a despedida do modelo, é limitada a 250 unidades.

Ford EcoSport: 2003 - 2021

O EcoSport inaugurou o segmento de SUVs compactos no Brasil: antes dele, só tínhamos versões aventureiras de veículos de outros segmentos (como a perua Palio Weekend Adventure e a picape Strada Adventure) ou utilitários maiores e mais caros (como Chevrolet Blazer, Honda CR-V e Toyota RAV4). Quando chegou, o EcoSport bombou, e reinou sozinho por oito anos no nosso mercado até ter seu primeiro rival direto - o Renault Duster.

O EcoSport nasceu para os brasileiros: era um modelo muito compacto para o padrão norte-americano e pouco refinado para o gosto europeu. Inclusive, foram desenvolvidos outros dois modelos para estes mercados: na América do Norte, havia o Escape (com carroceria maior que nosso Eco), enquanto na Europa foi lançado o crossover Fusion, que acabou não fazendo sucesso. Com estepe fixado na tampa traseira, maior altura em relação ao solo, posição de dirigir elevada e visual parrudo, o EcoSport foi lançado com os motores 1.0 Supercharger, 1.6 e 2.0 Duratec. A partir de 2004, ganhou a opção da tração 4x4; em 2005, o motor 1.6 virou Flex (capaz de rodar com gasolina ou álcool em qualquer proporção), e em 2006 veio a disponibilidade do câmbio automático de 4 marchas, ao passo que o Supercharger deixou de ser oferecido. 

Em 2007, o Eco estreou uma reestilização que mexeu no visual frontal, traseiro e no painel. Muito criticado pelo acabamento simples, o utilitário ganhou algumas melhorias para tentar abafar as reclamações. No ano seguinte, o motor 2.0 passou a aceitar gasolina ou etanol. Já no início de 2010, veio uma reestilização discreta, marcada pelo letreiro "ECOSPORT" pregado no capô (a lá Land Rover).

O Eco acabou se tornando um modelo global em sua segunda geração, apresentada em 2012. Na segunda geração, que passou a ser derivada do (então) New Fiesta, a Ford apostou no câmbio automatizado de dupla embreagem PowerShift, que infelizmente acabou se revelando uma transmissão problemática. 

A última reestilização do EcoSport ocorreu em 2017. A frente ganhou faróis e grade mais expressivos, e o painel passou a ser mais refinado, contando inclusive com material macio ao toque na parte superior, um refinamento que em nada lembrava os primórdios do modelo. O SUV também passou a ter sistema multimídia com uma vistosa tela sensível ao toque destacada do painel. Na reestilização de 2017, a marca optou por aplicar ao EcoSport um câmbio automático tradicional, com conversor de torque. A falta de novidades no modelo, o avanço dos rivais e os velhos vícios do modelo, como a tampa traseira que abria para o lado e o porta-malas de apenas 362 litros, eram fatores que faziam com que o EcoSport já não se destacasse dentro do segmento que ele mesmo inaugurou no Brasil.

Ford Edge: 2008 - 2021

Diretamente relacionado ao sedã Fusion, o Edge foi apresentado ao Brasil no ano de 2008, numa época de apogeu dos utilitários médios-grandes: quase na mesma época, a Chevrolet introduzia no Brasil o Captiva, enquanto a Dodge iniciava as vendas do Journey. A primeira geração do SUV da Ford chegou ao País com motor 3.5 de 269 cavalos e tração integral.

Em 2010, foi apresentado o Edge reestilizado: além das novidades visuais, que incluíam até rodas de liga leve cobertas com calotas cromadas, o SUV passou a entregar 284 cavalos. Em 2012, a Ford passou a vender o Edge com tração 4x2.

No ano de 2016, o Edge estreou sua segunda geração, que foi vendida unicamente na versão Titanium com motor 3.5 V6. Em abril de 2019, a Ford mudou sua estratégia e passou a comercializar o ST somente na versão esportiva ST.

O Edge ST teve apenas 41 exemplares emplacados no Brasil em 2021 - uma fração das 460 unidades do Mustang comercializadas neste mesmo período. O SUV da Ford trazia motor 2.7 V6 Biturbo EcoBoost de 335 cavalos a 5000 rpm e 54,4 kgfm de torque a 3000 rpm. Contava também com câmbio automático de 8 marchas com seletor giratório no console e aletas junto ao volante para trocas de marcha sequenciais, além de tração integral com gerenciamento eletrônico da distribuição de força para as rodas.


Ford Ka: 1997 - 2021
 

Dos quatro carros que tiveram o anúncio de seu encerramento de produção pela Ford em janeiro de 2021, certamente o fim mais inesperado foi o do Ka hatch, que encerrou o ano anterior como o quinto automóvel mais emplacado no Brasil. O Ford Ka passou por muitas transformações desde 1997, quando começou a ser feito no Brasil (inicialmente em São Bernardo do Campo, SP). Ele começou a vida como um subcompacto de duas portas, o primeiro carro da Ford desenvolvido sob a filosofia de estilo "New Edge", que depois se alastrou para Focus e Fiesta. Mas, com capacidade de levar apenas 4 pessoas, porta-malas minúsculo e estilo "ame-o ou odeie-o", o Ka acabou sendo um carro de nicho no Brasil. Em sua primeira geração, teve versões e séries memoráveis: XR, Black, Action, MP3... Nascido com motores 1.3 e 1.0 Endura, ele passou a ter em 1999 o 1.0 Zetec Rocam, e, a partir de 2001, o motor 1.6.

Sua segunda geração, que chegou às concessionárias brasileiras em 2008, foi feita pensando em torná-lo um carro mais popular e acessível. Ele passou a ter teto mais alto, ser homologado para 5 pessoas e contar com um porta-malas maior. Mantendo os motores 1.0 e 1.6, o Ka ainda só existia em carroceria de duas portas, para não tomar mercado do Fiesta.

Em 2014, veio sua maior evolução. O Ka mudou de casa (passando a ser feito em Camaçari, BA), e foi apresentado nas carrocerias hatch e sedan, ambas de quatro portas, com uma gama maior de versões e os motores 1.0 de três cilindros ou 1.5. Ele passou a ter condições de competir diretamente com modelos como Onix e HB20, e passou a ser um dos carros mais vendidos do Brasil. Já em 2018, ele foi reestilizado, ganhou opção de central multimídia (item muito apreciado pelos brasileiros) e as versões 1.5 passaram a poder ser equipadas com câmbio automático de 6 marchas. Em 2021, a produção do Ka foi encerrada tanto no Brasil quanto na Índia, onde também era produzido e exportado para Europa, México e África do Sul. Com isso, a história do compacto da Ford se encerrou em todo o mundo.

Ford Ka Sedan: 2014 - 2021


A trajetória do Ka Sedan é bem mais recente do que a de seu irmão hatchback, e se iniciou em agosto de 2014. Desenvolvido para ocupar o lugar do Fiesta RoCam Sedan e representando uma alternativa de modelo três-volumes mais acessível que o New Fiesta Sedan, importado do México, seu nome inicial era Ka+, uma alusão ao "algo mais" em relação ao Ka hatch - no caso, o porta-malas de 440 litros. Na prática, o "+" sempre foi uma denominação mercadológica, pois no RENAVAM, o modelo era registrado como "KA SD", enquanto o emblema na tampa traseira nunca trouxe o "+" pelo qual a marca se referia. A Ford se curvou à voz do povo e, no final de 2017, passou a batizar o modelo como Ka Sedan.


Em seu lançamento em 2014, o Ka+ tinha opções de motores 1.0 ou 1.5. O câmbio era manual de 5 marchas em todas as versões. Em 2015, passou a ter fixações para cadeirinhas infantis, faróis de neblina em todas as versões e retrovisores elétricos na versão SEL. Já em 2016, o sedã recebeu cintos de três pontos e apoios de cabeça para os cinco ocupantes. Em 2017, chegou a versão Advanced com motor 1.5, com controles de estabilidade e tração, assistente de partida em ladeiras e computador de bordo. No ano de 2018, passou por sua única reestilização, passando a ter novo motor 1.5, novos equipamentos e opção de câmbio automático de 6 marchas.

Honda Fit: 2003 - 2021

Quando chegou ao Brasil, em abril de 2003, o Honda Fit era um verdadeiro estranho no ninho em nosso mercado automotivo. O modelo não se enquadrava exatamente no segmento de minivans compactas (que já contava com o Chevrolet Meriva, lançado em 2002, e que seria complementado com o Fiat Idea, de 2005), por conta do tamanho menor da caroceria. Tampouco poderia o Fit ser encaixado como um hatchback tradicional, por conta de seu formato monovolume e das soluções de espaço interno totalmente incomuns para esta categoria. Fato é que, desde o começo de sua trajetória em nosso País, o Fit conquistou muitos fãs, diante de sua praticidade e confiabilidade.

No lançamento (que nem parece, mas completou 18 anos), o Fit chegou com duas opções de versões (LX e LXL), uma opção de motor (1.4 i-DSI 8 válvulas a gasolina de 80 cavalos) e dois tipos de câmbio (manual ou automático continuamente variável CVT, o primeiro entre os carros nacionais). Entre outros avanços, o Fit trazia direção eletricamente progressiva e os bancos com a funcionalidade ULT (Utility, Long and Tall), que se mantém até hoje com o nome Magic Seat. Com isso, era possível rebater os bancos traseiros para a frente (formando um piso aplanado para as bagagens, já que o tanque de combustível foi realocado para abaixo dos bancos dianteiros), rebater os bancos para cima (função útil para abrigar objetos mais altos dentro do veiculo) ou ainda levar cargas mais longas ao se rebater o banco do passageiro dianteiro para trás.

Em 2005, para os que reclamavam da falta de vivacidade do Fit 1.4, chegava a versão 1.5. Por fora, só era possível diferencia-los ao conferir o logotipo na traseira: o 1.4 tinha pingo vermelho na letra " i", e no 1.5 o detalhe era na cor azul. Com 16 válvulas e comando variável VTEC, passava a entregar 105 cavalos. Para estrear este motor, foi criada a versão EX, que passava a ser a topo-de-linha.

Logo no começo de 2006, uma bomba. A Honda optou, já em fevereiro, por lançar a linha 2007, com um face-lift que abrangia grade, para-choques, rodas e adicionava piscas nos retrovisores das versões mais completas. No fim daquele mesmo ano, o Fit, assim como o New Civic, passou a ter opção de motor 1.4 que aceitava álcool e gasolina em qualquer proporção. A Honda, diferentemente de muitas outras marcas, de início resolveu dar ao consumidor a possibilidade de escolha aos seus clientes e não eliminou de cara a versão 1.4 a gasolina. Uma peculiaridade da versão Flex era o segundo bocal do tanque de gasolina para partida a frio, que ficava no para-lama dianteiro direito, ao passo que a entrada para o tanque principal permanecia no para-lama esquerdo traseiro. E, em 2008, veio o Fit 1.5 S, série limitada a 1000 unidades.

No Salão do Automóvel de São Paulo de 2008, a maior novidade da Honda era a segunda geração do Fit, que, assim como o Civic, ganhou o prefixo "New". Maior, mais robusto e com equipamentos inéditos, nesta fase o Fit passou a ter 16 válvulas e comando de válvulas VTEC nas motorizações 1.4 e 1.5. Inicialmente, tinha quatro versões: LX, LXL, EX e EXL. Outra alteração mecânica relevante foi a troca da transmissão CVT por uma automática com conversor de torque e cinco marchas - segundo a Honda, o CVT não se adequaria bem ao abastecimento com etanol, que passava a ser padrão em todas as versões. Já em 2009 chegava ao nosso País o City, sedã que se aproveitava de sua plataforma, mas tinha design totalmente diferenciado do monovolume.

Em 2011, a Honda passava a disponibilizar o Fit DX, uma versão sem rádio e com calotas para ter preço ligeiramente mais atraente em relação ao LX. Neste mesmo ano, o Fit EXL, topo-de-linha, perdia a opção do câmbio manual, antevendo a tendência de que o público disposto a adquirir carros mais caros normalmente não abre mão do conforto da transmissão automática.

Em 2012 chegou o aventureiro Fit Twist 1.5, com apliques plásticos nos para-choques, rodas exclusivas e lanternas translúcidas. As demais versões ganharam frente ligeiramente redesenhada e passaram a ter tanque de combustível 5 litros maior, chegando a 47 L. E, em 2013, a Honda apostou em uma nova versão básica, a CX, que podia receber o câmbio automático.

A terceira geração do Fit estreou no Brasil em 2014, com estilo mais ousado. Todas as versões passavam a ter uma só motorização, a 1.5 FlexOne (com pré-aquecimento do combustível, dispensando o reservatório de partida a frio) e retornou o câmbio CVT para fazer companhia à opção de transmissão manual.

A última grande mexida do Fit ocorreu em setembro de 2017, quando ganhou uma reestilização que lhe garantiu novas luzes de LED, para-choques redesenhados (atrás, ele ficou maior, minimizando as recorrentes críticas de que a tampa traseira era bastante sujeita a amassados) e lhe deu mais equipamentos, como controles de tração e estabilidade. Desde 2019, o Fit estreou na Europa a sua quarta geração, mas a Honda do Brasil preferiu eliminar o modelo para abrir espaço para o City hatchback, que chega em março de 2022.

Honda Civic: 1992 - 2021


Quando o Civic desembarcou oficialmente ao Brasil em 1992, o Brasil ainda vivia a época de empolgação pós-reabertura das importações de automóveis em nosso País. E, enquanto o modelo estava em sua quinta geração, o Honda viveu o seu apogeu de diversidade de carrocerias oferecidas por aqui. Havia a opção do sedã de quatro portas, do Coupé (duas portas), do Hatchback (duas portas) e do conversível targa Del Sol. Em 1996, quando o Civic chegou à sua sexta geração, a marca optou por dar continuidade à importação somente do sedã. Mas logo se concretizaram os planos de nacionalizá-lo por aqui.


Ao final de 1997, o Civic passava a ser brasileiro. Ele recebeu um discreto face-lift no início de 1999, que também lhe adicionou equipamentos, e, em dezembro de 2000, foi apresentada a sétima geração do Civic no Brasil, praticamente simultaneamente com os Estados Unidos e o Japão, que incorporava assoalho plano para os ocupantes traseiros e um design modernizado. O motor passava a ser 1.7, de quatro cilindros em linha, com 115 ou 130 cavalos, dependendo da versão. Em agosto de 2003, a Honda comemorava a produção do Civic nacional de número 100.000, e no final daquele ano, o sedan passava por uma atualização de design, com faróis mais repuxados, assemelhados ao Accord.


Em abril de 2006 a Honda apresentava em nosso mercado o New Civic. Com design futurista para a época, causou sensação com o velocímetro digital no alto do painel, separado do conta-giros. Em março de 2007, a Honda apresentava o carro mais potente produzido em série no Brasil para a época: o Civic Si, com motor 2.0 i-VTEC de 192 cv, câmbio manual de seis marchas, diferencial de deslizamento limitado e suspensões, freios e rodas e pneus esportivos. Internamente, o Si incorporava instrumentos com iluminação vermelha e shift light integrado, além dos bancos esportivos com costura vermelha. Em seu primeiro ano de vendas no Brasil, o modelo teve 1935 unidades comercializadas. Em setembro de 2008, a Honda alcançava o marco de 300 mil unidades fabricadas no Brasil. No início de 2009, o New Civic passava por sua primeira leve atualização visual, enquanto a versão EXS passava a adotar os controles de tração e estabilidade, já presentes no Si desde seu lançamento. 


A nona geração do Civic chegou no fim de 2011 trazendo novos equipamentos, mais espaço interno e um design novo, mas assemelhado ao modelo anterior. O porta-malas cresceu, resolvendo um dos alvos de críticas da geração anterior. Comercializado em três versões (LXS, LXL e EXS), o Civic desta geração introduziu a central multimídia i-Mid, com tela de 5 polegadas, com conexões Bluetooth e USB, direção elétrica, controles de estabilidade e tração na versão EXS (além de airbags laterais), bem como o botão ECON em todas as versões, que permitia uma condução mais econômica. O sedã teve o comprimento ampliado para 4,52 metros, enquanto a capacidade de combustível aumentava de 50 para 57 litros da 9ª geração. O esquema de instrumentos posicionados em dois níveis foi mantido. Em 2014, o modelo recebeu a motorização 2.0 i-VTEC FlexOne e alcançou a marca de 500.000 automóveis produzidos no Brasil. Este também foi o ano que marcou o retorno do Si, agora com carroceria Coupé e importado. Em 2015 o modelo recebeu leves retoques visuais e a introdução do recurso de partida a frio FlexOne para toda a linha. 


Apresentado ao mercado em agosto de 2016 e com estilo mais ousado, o Civic Geração 10 foi o primeiro modelo da Honda no Brasil a introduzir a motorização 1.5 Turbo aliado ao câmbio automático CVT. O sedã passou por uma reestilização leve em agosto de 2019 e passou a ter novos equipamentos em suas versões tanto na linha 2020 quanto no ano-modelo 2021. Mas nem esses acréscimos de itens de série foram suficientes para fazer frente ao seu eterno arqui-inimigo Toyota Corolla. Em 2022, o Civic volta ao mercado brasileiro, agora como importado.

Kia Rio: 2020 - 2021


Durou apenas um ano a tão adiada carreira do Rio no Brasil. Desde os anos 2000, a Kia cogitou a importação do hatch compacto para nosso mercado, e chegou a testar a receptividade do público que visitou várias edições do Salão do Automóvel de São Paulo. Lançado no Brasil em janeiro de 2020, o Kia Rio acabou não correspondendo às expectativas de vendas da Kia, teve pouco marketing em torno de si e deixa de ser importado para nosso mercado com vendas irrisórias para a categoria. Em todo o seu período de comercialização nacional, o Rio teve apenas 540 unidades emplacadas.

A marca não importou exemplares do Rio fabricados em 2021 - os modelos em estoque ainda eram 2020/2021.

Mitsubishi ASX: 2010 - 2021

Lançado no Brasil em novembro de 2010, inicialmente importado do Japão, o Mitsubishi ASX chegou com o propósito de ser uma opção de utilitário esportivo mais sofisticado do que o veterano Pajero TR4. Inicialmente, o modelo contava com motor 2.0 16v movido unicamente a gasolina, com rendimento de 160 cavalos. 

Em 2012, o SUV passou por sua primeira leve reestilização, passando a ter novos alojamentos para as luzes de neblina, novos para-choques com maior área pintada na cor da carroceria e rodas redesenhadas. Já em meados de 2013, o ASX começou a ser produzido na fábrica de Catalão, em Goiás.

Ao longo dos anos, o ASX estreou várias séries especiais. Em 2015, o modelo teve a série O'Neill, que levava o sobrenome da grife de artigos de surfe e era limitada a 300 unidades. Logo depois, chegou o ASX Outdoor, inicialmente com tração 4x4 e câmbio manual. Em 2016, o Mitsubishi passou a contar com a série ASX-S, com visual mais urbano, e a versão Outdoor com tração dianteira e câmbio automático CVT. 

A linha 2017 do ASX estreou mais uma reestilização: o para-choque ganhou novas grades e detalhes cromados que invadiam os faróis, enquanto o interior passou a ter a opção da cor bege. No ano de 2017, o SUV finalmente passou a ter motor flex, aceitando gasolina e etanol, e perdeu as versões com câmbio manual. Na linha 2019 veio a sua derradeira atualização visual, passando a trazer grade com filete cromado, parte central do para-choque dianteiro na cor preta ou prata (a depender da cor da carroceria), luzes diurnas de LED integradas ao para-choque frontal, friso cromado na tampa do porta-malas e para-choque traseiro redesenhado com novos refletores. 

Mitsubishi Pajero Full: 1991 - 2021


A história do Pajero no Brasil completa precisamente trinta anos. Em 1991, logo após a reabertura das importações de automóveis em nosso mercado, a Mitsubishi começou a trazer o Pajero (então em sua segunda geração global), com opções de motor 3.0 V6 movido a gasolina ou 2.5 a diesel - este último, substituído por um 2.8 Turbodiesel em 1995. Em outubro de 1997, no evento Brasil Motor Show, foi apresentado o modelo 98 do Pajero, reestilizado e com motor 3.5 V6 a gasolina. Em 1998, veio a rara série limitada Evolution. Depois que chegaram o Pajero iO e o Pajero Sport, o pioneiro passou a ter o sobrenome Full.


A geração seguinte começou a ser comercializada em 2001, abandonando a construção da carroceria sobre chassi em prol de um monobloco. Inicialmente, a gama de motorizações disponíveis incluía o 2.8 Turbodiesel e os 3.0 e 3.5 movidos a gasolina. Em 2002, o utilitário passou a ter um motor 3.2 Turbodiesel, e, em 2004, surgiu a opção do 3.8 V6 a gasolina.


Em 2007, o Pajero Full foi lançado em sua quarta geração no Brasil. O SUV passou por leves reestilizações nos anos de 2012 e 2014, que retocaram seu estilo e o deixaram a par da era das centrais multimídia. Para marcar o encerramento da produção do Full, a Mitsubishi disponibilizou em maio deste ano a série especial Legend Edition, limitada a 100 exemplares.

Nissan Versa V-Drive: 2011 - 2021


Lançado em 2011, o Versa chegou ao Brasil poucos meses depois do lançamento do March - ambos compartilhavam a plataforma V. Inicialmente importado do México, o Versa tinha as versões S, SV e SL, todas com motor 1.6 16 válvulas de 111 cavalos e câmbio manual de 5 marchas. Assim como o irmão March, o Versa tinha o chamariz de vir com airbag duplo em todas as suas versões. Os freios ABS, entretanto, vieram somente em abril de 2013. No ano de 2015, o sedã foi reestilizado, passou a ser fabricado em Resende (RJ) e estreou versões com o motor 1.0 de três cilindros e 77 cavalos. 


Neste mesmo ano, o Nissan também estreou o sistema multimídia Multi-App, com tela sensível ao toque de 6,2 polegadas e possibilidade de instalação de aplicativos. Em junho de 2016, o Versa passou a ter câmbio automático Xtronic CVT. Desde então, as mudanças foram mínimas, como no estilo das rodas da versão topo-de-linha SL. No ano de 2020, pouco antes da chegada do novo Versa ao Brasil, o modelo da geração anterior passou a ter o sobrenome V-Drive e se submeteu a uma reordenação na gama de suas versões, passando a ter as opções 1.0 manual, 1.6 manual, 1.6 Special Edition CVT, 1.6 Plus CVT e 1.6 Premium CVT. As vendas do modelo, no entanto, mantinham-se em um patamar baixo, fator que se somou à necessidade de ampliar a capacidade de produção do Kicks.

Nissan Sentra: 2004 - 2021


Ele chegou ao Brasil absolutamente tímido em outubro de 2004, com estilo bastante conservador e motor 1.8 de 115 cavalos. O Sentra tinha a dura missão de conquistar o público que já escolhia por modelos bem consolidados no mercado, como Corolla, Civic, Vectra e Focus Sedan. Em 2007, chegou a sexta geração, conhecida pelo slogan "Não tem cara de tiozão" de seu comercial de lançamento. 


Além do estilo mais anguloso e robusto, com traseira curta, o Sentra passou a ter motor 2.0 de 142 cavalos, que passou a aceitar álcool e gasolina a partir de 2009. Na linha 2010, o Sentra recebeu um discreto face-lift, e posteriormente passou a ter séries especiais como a SR, a Unique e a Special Edition, além de receber novos equipamentos. 


Em outubro de 2013 chegou o Sentra de sétima geração, com motor 2.0 Flex Fuel de 140 cavalos e diversas melhorias, como o porta-malas ampliado de 442 para 503 litros, os novos equipamentos e o acabamento mais refinado. A partir de 2015, passou a ter a série Unique. A última grande mexida no Sentra em nosso mercado ocorreu em maio de 2016, quando o sedã foi reestilizado e ganhou equipamentos. Na ocasião, passou a ter somente versões com câmbio automático. Em junho de 2018, a Nissan passou a equipa-lo com a central multimídia Multi-App.


Toyota Etios: 2012 - 2021


Mesmo antes de começar a ser fabricado no Brasil, em setembro de 2012, o Toyota Etios já era um carro cercado de polêmicas. Foi apresentado inicialmente na Índia e, além do estilo controverso, era um modelo nitidamente simples e feito para mercados emergentes. Mas o Etios, que foi fabricado em Sorocaba (SP) nas carrocerias hatch e sedã, conquistou seu público, atraído pelo bom espaço interno e pela boa reputação da marca em nosso País. O Etios hatch tinha opções de motor 1.3 ou 1.5, ambos de 16 válvulas, enquanto o sedã sempre foi fabricado com motor 1.5. Em 2013, foi lançado o Etios Cross e a marca promoveu as primeiras modificações de acabamento interno para a linha. No ano de 2014, passou a ter a versão topo-de-linha Platinum.


Já em 2016, foram feitas várias modificações: o criticado quadro de instrumentos no centro do painel passou a ser digital, o câmbio manual passou a ter 6 marchas, veio a opção do câmbio automático de 4 marchas e os motores 1.3 e 1.5 ganharam potência. As versões Platinum e Ready ganhavam nova frente, que foi incorporada a toda a linha Etios em 2017. As últimas mudanças relevantes vieram em 2018, quando foram eliminadas as versões topo-de-linha, os faróis e lanternas ganharam máscaras negras e toda a linha Etios passou a ter controles de tração e estabilidade, bem como o assistente de partida em ladeiras. Apesar de não ser mais comercializado no Brasil, o Etios continua em produção para atender à demanda de outros mercados da América Latina.

Renault Sandero R.S.: 2015 - 2021


Lançado em setembro de 2015, o Sandero R.S. demonstrou que, no Brasil, existia espaço para os hot-hatches de verdade, em contraponto aos "esportivos de adesivo", que são modelos com detalhes visuais mais agressivos, mas que mantêm os mesmíssimos conjuntos mecânicos das outras versões. Ao longo destes anos, o modelo teve séries limitadas, como a Racing Spirit, lançada em 2017, e duas unidades pintadas na cor Amarelo Sirius, sorteadas na promoção Speed Drive. Desenvolvido pela Renault Sport, em conjunto com as equipes de design e engenharia da América Latina, o Sandero R.S. 2.0 trazia motor aspirado que entregava 150 cavalos e 20,9 kgfm com etanol, associado a um câmbio manual de 6 marchas. Em 2019, o hatch esportivo passou por uma reestilização.


As últimas 100 unidades do hatch de 150 cavalos terão um kit chamado “R.S. Finale”, que inclui pôster do modelo no estilo blueprint, bem como itens da grife R.S., como boné, chaveiro ao estilo de um pedal de freio, squeeze e carteira. Além destes itens, o kit trará uma plaqueta de metal numerada, para ser afixada no console central, identificando que aquele R.S. é um dos últimos produzidos. De 2015 até 2021, foram cerca de 4.600 exemplares do R.S. produzidos.

Troller T4: 1999 - 2021


Inicialmente estabelecida como "Troler" (com um "L" só) em Horizonte (CE) no ano de 1995, a marca nacional começou a produzir o jipe RF Sport, com carroceria de plástico reforçado com fibra de vidro, construção sobre chassi, estrutura tubular de proteção e estilo inspirado no norte-americano Jeep Wrangler. Inicialmente, seu motor era o 1.8 AP (de origem Volkswagen), depois substituído pelo 2.0 AP. O modelo evoluiu para T4 em 1999, quando a grafia do nome da marca já era o atual. Em 2000, o jipe passou a ter o motor 2.8 MWM Turbodiesel de 114 cavalos. A partir de 2002, o T4 passou a ter tampa traseira para facilitar o acesso ao porta-malas e freios a disco nas quatro rodas.

No ano de 2004, o Troller T4 teve a dianteira redesenhada, e, em 2005, o modelo passou a ter o motor 3.0 Turbodiesel com gerenciamento eletrônico. No início de 2007, foi anunciada a aquisição da Troller pela Ford. Em 2008, o T4 passou por mais uma reestilização, e teve seu interior redesenhado: os componentes que vinham de carros de outras marcas (como volante de Gol e tampa do porta-luvas de Mille) foram substituídos por peças Ford. O T4 teve a série Expedition em 2010, a edição limitada Desert Storm em 2011 e, no ano seguinte, estreou o motor 3.2 TGV apto a rodar com o diesel S-50.


Em 2014, o Brasil conheceu a segunda geração do T4, agora com aproveitamento do chassi e de componentes mecânicos e eletrônicos da Ford Ranger, incluindo o motor 3.2 Duratorq de cinco cilindros (e 200 cavalos) e o câmbio manual. O modelo nunca foi equipado com airbags frontais, por conta de uma brecha na legislação vigente desde 01º de janeiro de 2014 no Brasil, que exclui a obrigatoriedade deste equipamento de segurança para veículos de uso off-road. O T4 também teve várias séries especiais (Bold, Connect e Trail), e, em 2019, finalmente chegou ao mercado o TX4, que trazia câmbio automático. A produção da Troller no Brasil foi encerrada em outubro deste ano.

Volkswagen up!: 2014 - 2021

Lançado no Brasil no começo de 2014, o up! chegou ao mercado apenas na carroceria de quatro portas e com o motor 1.0 MPI de três cilindros (de 75/82 cavalos), aliado ao câmbio manual de cinco marchas. O up! teve variadas modificações em relação ao seu equivalente europeu, e as maiores mudanças ocorreram na parte traseira: foi substituída a tampa do porta-malas original, inteiramente feita em vidro, por outra mais tradicional, de chapa de aço. Além disso, foram ampliados o porta-malas e o tanque de combustível (aumentou de 35 para 50 litros). Para completar, as portas de trás passaram a ter vidros que baixavam ao se girar as manivelas (no up! europeu de quatro portas, os vidros apenas basculam).

Quando o up! chegou ao Brasil, ainda existiam poucos subcompactos sendo vendidos, como o Kia Picanto e o Fiat 500 - e ambos eram modelos mais caros. Com formas quadradas, capô curto e dimensões compactas, o up! conservou boa parte do estilo do modelo europeu, onde esta classe de city-cars era bastante fervilhante. Aqui, encarou a resistência de consumidores por parecer muito pequeno, embora seu porta-malas tivesse exatamente o mesmo volume do Gol e a distância entre eixos ser parelha à de modelos até 30 centímetros maiores no comprimento.

Internamente, o up! apostava num layout de ar-condicionado bem diferente do que nos habituamos nos carros: existe uma saída central (que não pode ser vedada nem direcionada) que sopra o ar para cima, visando suprir a ventilação para os passageiros dianteiros e traseiros. Porém, quem tem up! já deve ter passado pela desagradável situação de desligar o ar, abrir os vidros e o choque de temperaturas fazer o espelho interno embaçar.

O up! também trazia um volante de base reta, pelo qual se viam os instrumentos (o velocímetro era o verdadeiro destaque, com o conta-giros e o nível do tanque de combustível pequenos nos cantos). Em algumas versões, era possível escolher a cor dos plásticos dos forros de porta e base do painel em bege ou preto, e ainda existia a possibilidade de escolher um dos vários tons de pintura envernizada no painel do high up! (nos modelos black, white e red, o chamado "pad" do painel vinha na mesma cor do carro).

Inicialmente disponível nas versões take up!, move up!, high up!, black up!, red up! e white up!, o pequeno hatchback chegou ao nosso mercado pouco tempo depois da aposentadoria do Gol Geração 4, que deixou de ser produzido por não se adequar às então novas disposições de segurança instituídas, que obrigaram todos os carros zero-quilômetro a saírem de fábrica com airbags frontais e freios ABS. Aliás, no quesito de segurança, o up! causou ótima impressão logo de cara, ao ser o primeiro modelo do segmento de compactos a oferecer cinco estrelas de proteção para adultos no caso de colisões, como atestou o órgão Latin NCAP. Vale lembrar que, desde então, os standards de segurança se aprimorarem bastante, e hoje o up! não repetiria a nota máxima com os itens de proteção hoje disponíveis.

Ainda em 2014, foram lançados o aventureiro cross up!, a carroceria de duas portas (restrita às versões take e move), com janelas traseiras de formato menos ousado do que no modelo europeu, e ainda o câmbio automatizado monoembreagem I-Motion, de cinco marchas. 

Um detalhe peculiar da carreira do Volkswagen up! é que justamente o ano de sua estreia (2014) foi o período em que ele mais vendeu unidades no Brasil - a cada ano, as vendas foram minguando. Mas a evolução do subcompacto continuou, e em meados de 2015 coube ao up! ser o primeiro Volkswagen a ter o motor 1.0 TSI de 105 cavalos em nosso País. Entregando mais performance e até levando vantagem ante o MPI em relação ao consumo de combustível, o motor TSI estava disponível a partir da versão move.

Para marcar a chegada deste propulsor, foi preparado um novo modelo, o speed up!, sempre branco com teto preto e detalhes em azul (nas capas dos retrovisores externos e nas laterais inferiores).

Aos poucos a Volkswagen foi buscando um posicionamento de mercado mais elevado para o up!, principalmente em função de seu custo de produção mais elevado, diretamente influenciado pelas técnicas mais sofisticadas de conformação do aço e do próprio material mais nobre aplicado à carroceria do modelo. A marca passou a incluir de série mais equipamentos, como o ar-condicionado, a partir da versão move. Já o take passou a ter um pacote completo que incluía todos os opcionais mais desejados, como direção elétrica com regulagem de altura, ar-condicionado e travas/vidros elétricos. Para completar, em 2016 foi lançado o up! Run, de produção limitada e com motor 1.0 MPI, e o up! Track, uma versão que aproveitava elementos aventureiros do cross up! mas, assim como o Run, tinha motor aspirado.

Em 2017, o menor dos Volkswagen passou por uma reestilização. Os para-choques e grade ficaram maiores, e o modelo ganhou novas opções de cores e estilos de rodas e calotas. Já as lanternas passaram a ter molduras escuras. Deixaram de ser fabricadas as carroceria de duas portas e as versões speed, black, white e red, além das séries Track e Run.

A parte interna também recebeu atenção: mudaram volante, quadro de instrumentos (que passou a ter conta-giros e tela do computador de bordo maiores), além de novos acabamentos para bancos e parte central do painel. A novidade mais vistosa era o rádio Composition Phone com tela colorida. Nem se comparava às desejadas centrais multimídia com monitores maiores e sensíveis ao toque, mas já ajudavam a ter uma conectividade maior com o celular - até foi adicionado um suporte flexível e removível no centro do painel para reforçar isso. Esse mote de conectividade fez a Volkswagen lançar a série especial up! Connect, feita somente no tom azul que foi uma das cores do lançamento.

Essa foi a fase mais refinada do up!, que poderia receber itens que só se via em segmentos superiores, como acendimento automático dos faróis, iluminação ambiente embutida no painel, volante em couro, sensor de chuva, faróis de neblina com luzes de conversão estática e bancos de couro sintético.

Resgatando o espírito esportivo do speed up!, foi lançado em 2018 o up! Pepper. Esta série especial, também disponibilizada para Fox e Saveiro, trazia detalhes vermelhos e logotipos charmosos.

A partir de 2019, a Volkswagen resolveu limitar o número de versões a apenas três. Continuaram o modelo 1.0 MPI (mais completo que o antigo take, porém com menos itens que o antigo move aspirado), a Connect (que resgatou a ideia da série especial feita há dois anos, trazendo o Composition Phone) e Xtreme (que herdou alguns detalhes de estilo do cross up!, mas sem tanta pegada aventureira). Foi eliminado o câmbio automatizado i-Motion.

Em 2020, a Volkswagen diminuiu mais uma vez a gama de versões do up!, passando a existir somente uma, a Xtreme. A marca decidiu não adaptar o carrinho para receber o cinto de três pontos no meio do banco traseiro, pois fazer as modificações estruturais para a fixação do cinto não compensariam o investimento, diante do baixo volume. A "solução" encontrada foi de alterar a especificação da quantidade de passageiros permitidos no up!, reduzida de 5 para 4 ocupantes. 

O up! deixa de ser produzido no Brasil sem deixar sucessor. Com dimensões compactas e apropriadas para o uso na cidade, boa dirigibilidade, agilidade e economia, o fim do up! simboliza o inexorável desinteresse das montadoras de automóveis em manter em produção os modelos subcompactos.

Volkswagen Fox: 2003 - 2021


Lançado em 2003 inicialmente apenas com carroceria de duas portas, o Fox foi a vitória de uma batalha que a Volkswagen do Brasil teve em convencer a matriz de que havia espaço no portfólio da montadora para um modelo entre o Gol e o Polo. O hatch foi concebido sobre a mesma plataforma PQ24 do então novo Polo, porém com menos itens sofisticados e com acabamento simplificado. Em contrapartida, o Fox trazia soluções inovadoras de espaço interno, como o banco traseiro com deslizamento longitudinal, e de porta-objetos, como a gaveta sob o banco do motorista. Foi o primeiro carro do Brasil com todas as versões com motores Total Flex, capazes de rodar com gasolina ou etanol: os motores 1.0 e 1.6 já eram flexíveis. Em 2004, passou a ter carroceria de quatro portas, e em 2005 chegou o CrossFox, que abriu caminho para a febre dos hatches aventureiros urbanos. Trazia faróis de dupla parábola, estribos, rack de teto e peças (para-choques, maçanetas e capas dos retrovisores) sem pintura. A cereja do bolo era o estepe aparente na tampa traseira. 


Em 2007, a linha Fox passou por seu primeiro (e discreto) face-lift. Uma mudança mais extensa foi promovida nos idos de 2009, quando a linha se alinhou ao novo padrão de estilo da marca, com linhas mais retas. A novidade mais interessante ocorreu no interior: enfim, o ambiente passou a contar com quadro de instrumentos mais legível, acabamento mais agradável (com superfícies lisas no painel e tecido nas portas), porta-luvas fechado, novos sistemas de som e comandos de ar-condicionado, além de ter opcionalmente o teto solar. Depois de Polo e Gol, o Fox foi o terceiro modelo a utilizar o câmbio automatizado monoembreagem I-Motion de 5 marchas. 


Em 2014, o Fox passou por mais uma reestilização, que trouxe mais requinte ao modelo, numa época em que o Polo estava se despedindo do mercado brasileiro. A frente ganhou faróis mais espichados, além de grade e para-choque que remetiam ao Golf. Na traseira, as lanternas passaram a invadir a tampa do porta-malas, resultando num visual pouco harmônico, mas a tampa passou a abrir através de maçaneta embutida no próprio emblema. Outra novidade que estreou nesta reestilização foi o motor 1.6 de 16 válvulas e 120 cavalos. Também passou a contar com central multimídia opcionalmente. Em setembro de 2017, para abrir espaço de mercado ao novo Polo, o Fox perdeu todas as versões com motor 1.0 e 1.6 16 válvulas, passando a ser oferecido no mercado nacional unicamente nas opções Connect e Xtreme, com o veterano 1.6 8 válvulas.

Comentários