Fim da linha para o Nissan Livina



A Nissan encerra a carreira das minivans Livina e Grand Livina, por conta das baixas vendas e da obsolescência do modelo no mercado, ainda que com pouca concorrência. Apresentada inicialmente em 2006 no Salão Internacional de Guangzhou (China), baseada sobre a plataforma do então recém-lançado Note e com design sem radicalismos, a Livina chegou ao mercado brasileiro em maio de 2009, com cinco lugares e nas versões 1.6 (sem sobrenome) e SL. Poucos meses depois chegava ao mercado a Grand Livina, com comprimento alongado em 24 centímetros e mais dois bancos atrás, evidentemente adequados apenas a crianças pequenas.



Ainda no ano de 2009 a Nissan apresentava a versão X-Gear, com decoração aventureira e suspensão idêntica. Era uma alternativa mais informal, que seguia o modismo dos aventureiros urbanos (como Aircross, EcoSport e Idea Adventure). Enquanto as versões básica e X-Gear se utilizavam do motor 1.6 16v de 104 cavalos com gasolina e 108 cv com etanol (fornecido pela Renault), as versões Livina SL e todos os Grand Livina adotavam o 1.8 16v de 125/126 cv, com opção de câmbio automático de 4 marchas. Apesar desta comodidade, e de oferecer itens como bancos de couro e ar-condicionado digital, faltavam computador de bordo e os ajustes de altura dos cintos de segurança e do banco do motorista.



Ao longo dos anos, pouquíssimas intervenções foram feitas na Livina. Em 2010, foram apresentadas a versão de entrada S e a série Night & Day; em março de 2012, recebeu seu único face-lift, que envolvia nova grade superior, para-choques e frisos integralmente pintados na cor da carroceria, além de novas rodas.



A fabricação do Livina foi interrompida ainda no fim de 2014, mas as unidades remanescentes continuaram abastecendo o mercado brasileiro e a montadora continuava divulgando o modelo no site e Facebook. Agora, a Chevrolet Spin fica isolada no mercado como uma das poucas opções de modelos de 7 lugares (fora o Doblò, que é uma multivan - mais para furgão do que para automóvel). Para os órfãos do modelo, resta esperar que o Kicks (com lançamento previsto para o segundo semestre de 2016) tenha boa versatilidade interna, uma vez que a Nissan não planeja um modelo substituto.

Comentários